x
Chess - Play & Learn

Chess.com

FREE - In Google Play

FREE - in Win Phone Store

VIEW

SERÁ QUE DEUS É CRUEL?

EETech
May 27, 2013, 4:12 PM 0

Por que alguns dizem que Deus é cruel?

ALGUNS acham a pergunta “Será que Deus é cruel?” um tanto absurda. Mas muitos concluem, ou pelo menos supõem, que Deus é cruel. Por quê?

Muitos que sobrevivem a desastres naturais se perguntam: ‘Por que Deus permite que essas coisas aconteçam? É por indiferença? Ou por crueldade mesmo?’

Outros ficam incomodados quando leem a Bíblia e se deparam com relatos como o do Dilúvio nos dias de Noé. Eles se perguntam: ‘Por que um Deus amoroso causou a morte de tantas pessoas? Será que ele é cruel?’

Você já se fez essas perguntas? Fica sem saber o que responder quando alguém diz que Deus é cruel? Antes de qualquer coisa, vejamos a resposta a outra pergunta.

POR QUE ODIAMOS A CRUELDADE?

Em poucas palavras, odiamos a crueldade porque temos um senso de certo e errado. Nesse sentido, somos bem diferentes dos animais. Deus nos fez “à sua imagem”. (Gênesis 1:27) O que isso quer dizer? Ele nos criou com a capacidade de refletir suas qualidades e padrões de moral. Assim, se Deus nos deu um senso de certo e errado, e nós por natureza odiamos a crueldade, isso não prova que Deus também a odeia?

Essa lógica está de acordo com a Bíblia, pois Deus nos garante: “Meus caminhos são mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, do que os vossos pensamentos.” (Isaías 55:9) Afirmar que Deus é cruel é o mesmo que dizer que nossos caminhos são superiores aos dele — o oposto do que diz esse texto. Não seria melhor procurar saber mais antes de adotar essa atitude? Em vez de questionar se Deus é cruel, talvez seja melhor tentar entender por que alguns de seus atos parecem cruéis. Primeiro, vejamos o que “crueldade” realmente significa.

Crueldade envolve a motivação da pessoa. Quem é cruel gosta de ver os outros sofrerem ou não se importa com sua dor. Assim, se um pai disciplina o filho porque gosta de fazê-lo sofrer, ele é cruel. Mas, se disciplina o filho para ensiná-lo ou protegê-lo, ele é amoroso. Nem sempre é fácil discernir a motivação de alguém. Você mesmo já deve ter percebido isso se alguma vez foi mal-interpretado.

Vamos considerar dois motivos que levam alguns a pensar que Deus é cruel: os desastres naturais que vemos hoje e os julgamentos divinos registrados na Bíblia. Será que os fatos mostram que Deus é cruel?

Desastres naturais — provam que Deus é cruel?

O QUE ALGUNS DIZEM: “Deus governa o mundo, então ele causa os desastres naturais e é cruel.”

O QUE A BÍBLIA DIZ: “O mundo inteiro jaz no poder do iníquo.” (1 João 5:19) Segundo a Bíblia, esse “iníquo” é Satanás. (Mateus 13:19; Marcos 4:15) Será que isso é um absurdo? Pense no seguinte: se Satanás tem poder sobre o mundo, então ele influencia os humanos a serem egoístas, gananciosos e irresponsáveis como ele é. Isso ajuda a explicar por que o homem administra tão mal o meio ambiente. Muitos especialistas alertam que essa má administração talvez tenha influência nos desastres naturais, seja por causá-los, seja por piorá-los, ou até por tornar os humanos mais vulneráveis a eles.

Então, por que Deus permite que Satanás exerça tanta influência assim? A resposta tem a ver com algo que aconteceu no início da história humana. Nossos primeiros pais, Adão e Eva, escolheram rejeitar o governo de Deus, e a maior parte da humanidade também tem feito isso. Por esse motivo, o mundo inteiro está nas mãos do inimigo de Deus, Satanás. É por isso que Jesus chamou a Satanás de “o governante do mundo”. (João 14:30) Mas será que Satanás governará para sempre? Não!

Jeová* não é insensível ao sofrimento causado por Satanás. Na realidade, Deus é profundamente afetado pelo sofrimento humano. Por exemplo, referindo-se às dificuldades que a nação de Israel enfrentou, a Bíblia diz sobre Deus: “Durante toda a aflição deles, foi aflitivo para ele.” (Isaías 63:9) Por misericórdia, Deus em breve acabará com o governo cruel de Satanás. Ele fará isso por meio de seu Filho, Jesus Cristo, que sempre será um Rei justo.

COMO ISSO ENVOLVE VOCÊ: O governo de Satanás não protege as pessoas de desastres naturais, mas o governo de Jesus fará isso. Certa vez, Jesus protegeu seus discípulos de uma tempestade. A Bíblia diz: “Ele . . . censurou o vento e disse ao mar: ‘Silêncio! Cala-te!’ E o vento cessou, e deu-se uma grande calmaria.” Os discípulos disseram: “Quem é realmente este, porque até mesmo o vento e o mar lhe obedecem?” (Marcos 4:37-41) Esse episódio nos dá a confiança de que no seu reinado Jesus protegerá todos os humanos obedientes. — Daniel 7:13, 14.

Julgamentos divinos — foram cruéis?

PARA responder a essa pergunta, vamos analisar dois exemplos de julgamentos divinos registrados na Bíblia: o Dilúvio nos dias de Noé e a destruição dos povos de Canaã.

O DILÚVIO NOS DIAS DE NOÉ

O QUE ALGUNS DIZEM: “Deus foi cruel ao causar um dilúvio que destruiu quase toda a humanidade.”

O QUE A BÍBLIA DIZ: Deus disse: “Não me agrado na morte do iníquo, mas em que o iníquo recue do seu caminho e realmente continue vivendo.” (Ezequiel 33:11) Assim, Deus não teve prazer em destruir os maus nos dias de Noé. Então por que ele fez isso?

De acordo com a Bíblia, ao executar julgamentos contra os maus no passado, Deus estabeleceu “um modelo das coisas que hão de vir”. (2 Pedro 2:5, 6) Que modelo é esse?

Primeiro, Deus ajusta contas com as pessoas cruéis que causam sofrimento, mesmo que destruí-las seja doloroso para ele. Portanto, um dia ele acabará com toda a injustiça e todo o sofrimento.

Segundo, por amor, Deus avisa as pessoas antes de executar um julgamento. Ele mandou Noé avisar seus contemporâneos, mas eles não deram ouvidos. A Bíblia diz que “não fizeram caso, até que veio o dilúvio e os varreu a todos”. — Mateus 24:39.

Deus tem seguido esse modelo? Sim. Por exemplo, ele avisou seu povo, Israel, que se eles adotassem as práticas erradas das nações à sua volta ele permitiria que inimigos invadissem o país, destruíssem sua capital, Jerusalém, e os levassem ao exílio. Os israelitas desobedeceram a Jeová e chegaram ao ponto de fazer sacrifícios de crianças. Será que Jeová fez algo a respeito? Sim, mas somente depois de, vez após vez, enviar profetas para avisar ao povo que eles deveriam mudar seu modo de agir antes que fosse tarde demais. Ele até mesmo disse: “O Soberano Senhor Jeová não fará coisa alguma sem ter revelado seu assunto confidencial aos seus servos, os profetas.” — Amós 3:7.

COMO ISSO ENVOLVE VOCÊ: O modelo dos julgamentos de Jeová no passado nos dá esperança. Podemos ter certeza de que Deus julgará aqueles que cruelmente fazem outros sofrer. A Bíblia diz: “Os próprios malfeitores serão decepados . . . Mas os próprios mansos possuirão a terra e deveras se deleitarão na abundância de paz.” (Salmo 37:9-11) Para você, um julgamento que vai acabar com o sofrimento da humanidade é cruel ou é misericordioso?

A DESTRUIÇÃO DOS POVOS DE CANAÃ

O QUE ALGUNS DIZEM: “A destruição dos povos de Canaã foi um crime de guerra cruel, um verdadeiro genocídio.”

O QUE A BÍBLIA DIZ: “Todos os seus caminhos são justiça. [Ele é um] Deus de fidelidade e sem injustiça.” (Deuteronômio 32:4) Um ato de justiça divina não pode ser comparado a uma guerra humana. Por quê? Porque, ao contrário dos humanos, Deus é capaz de ler o coração das pessoas, ou seja, ele sabe como elas realmente são.

Por exemplo, quando Deus julgou as cidades de Sodoma e Gomorra e decidiu destruí-las, o fiel Abraão ficou preocupado se isso seria justo. Ele não conseguia aceitar a ideia de que Deus ‘arrasaria o justo junto com o iníquo’. De modo paciente, Deus lhe garantiu que, mesmo que houvesse apenas dez justos em Sodoma, a cidade seria poupada por causa deles. (Gênesis 18:20-33) Obviamente, Deus leu o coração daquelas pessoas e viu que eram incorrigíveis. — 1 Crônicas 28:9.

De modo similar, Deus julgou os povos de Canaã e, com toda a razão, ordenou que fossem destruídos. Os cananeus eram bem conhecidos por sua crueldade. Eles até mesmo queimavam crianças vivas em rituais sacrificiais.* (2 Reis 16:3) Os cananeus sabiam que Jeová havia ordenado que Israel tomasse posse de toda a sua terra. Aqueles que decidiram permanecer e lutar contra os israelitas estavam na verdade lutando contra o próprio Jeová, que tinha dado provas incontestáveis de que estava com seu povo.

Também vale a pena lembrar que Deus foi misericordioso com cananeus que abandonaram suas práticas erradas e aceitaram os elevados padrões morais de Jeová. Por exemplo, a prostituta cananeia Raabe e os de sua família foram salvos. Além disso, quando os habitantes da cidade cananeia de Gibeão imploraram misericórdia, eles e seus filhos foram poupados. — Josué 6:25; 9:3, 24-26.

COMO ISSO ENVOLVE VOCÊ: Em breve ocorrerá o predito “dia do julgamento e da destruição dos homens ímpios”. (2 Pedro 3:7) Jeová eliminará da Terra aqueles que rejeitam seu governo. Assim, podemos aprender uma importante lição do julgamento dos cananeus: se amarmos a Jeová, viveremos para ver o tempo em que não haverá mais sofrimento.

Os cananeus eram bem conhecidos por sua crueldade e decidiram lutar contra Deus e seu povo

Como expressão de seu amor, Jeová nos lembra de que as escolhas dos pais afetam os filhos. A Palavra de Deus diz: “Tens de escolher a vida para ficar vivo, tu e tua descendência, amando a Jeová, teu Deus, escutando a sua voz e apegando-te a ele.” (Deuteronômio 30:19, 20) Será que essas são palavras de um Deus cruel? Ou de um Deus que ama as pessoas e quer que elas façam a escolha certa?

Deus é digno de confiança?

IMAGINE a seguinte situação: Um amigo que você admira muito faz algo que você não entende. Outros o criticam e julgam a motivação dele, dizendo que ele é cruel. Você concordaria de imediato com essas pessoas? Ou esperaria até ouvir a versão de seu amigo? E se não pudesse falar com ele? Você lhe daria um voto de confiança e esperaria até ele poder se explicar?

Antes de qualquer coisa, você talvez se perguntasse: ‘Até que ponto eu conheço esse amigo, e por que o admiro tanto?’ Isso seria razoável. Mas será que não podemos aplicar esses mesmos princípios à questão de se Deus é cruel?

Pode ser que você ache difícil entender certos atos de Deus ou fique intrigado com o que ele permite acontecer. Muitos julgam a motivação de Deus, dizendo que ele é cruel, e talvez tentem convencer você a fazer o mesmo. Você daria um voto de confiança a Deus até poder saber mais? A resposta depende do quanto você conhece a Deus. Pergunte-se: ‘Que tipo de amigo Deus tem sido para mim?’

Se você está passando por problemas, talvez ache que Deus não tem agido como um amigo. Mas pense um pouco. Deus é responsável pelas dificuldades na sua vida? Ou é responsável pelas bênçãos? Como vimos, Satanás é “o governante deste mundo”, não Jeová. (João 12:31) Assim, é Satanás quem está por trás de grande parte do sofrimento e da injustiça deste mundo. E não concorda que muitos de nossos problemas são causados por imprevistos e por nossas próprias imperfeições?

Deus é responsável pelas dificuldades na sua vida? Ou é responsável pelas bênçãos?

Por outro lado, Deus é responsável pelo quê? Considere o que a Bíblia diz: Deus é “Aquele que fez o céu e a terra”; suas obras incluem nosso corpo, que foi “feito maravilhosamente”; e Jeová é “o Deus em cuja mão está o [nosso] fôlego”. (Salmo 124:8; 139:14; Daniel 5:23) O que tudo isso quer dizer?

Quer dizer que devemos nossa existência ao nosso Criador. (Atos 17:28) Significa que o dom da vida, a beleza do mundo à nossa volta, o amor e a amizade, o paladar, o tato, a audição e o olfato — todos são presentes de Deus para nós. (Tiago 1:17) Não concorda que essas bênçãos fazem dele um Amigo digno de nossa admiração e confiança?

Mesmo assim, você talvez ache difícil confiar em Deus porque pensa que ainda não o conhece bem o suficiente. E isso é compreensível. Nesses breves artigos, não é possível analisar todos os motivos de alguns considerarem Deus cruel. Mas não acha que vale a pena o esforço de conhecê-lo melhor?* Ao fazer isso, você aprenderá a verdade sobre Deus. Então, será que ele é cruel? Na verdade, é exatamente o contrário: “Deus é amor.” — 1 João 4:8.

 

Online Now