Um estudo de posições fechadas

Um estudo de posições fechadas

GMKrikor
GM GMKrikor
15/05/2017, 14:19 |
5

Depois do último torneio que joguei - o Zonal 2.4 em Florianópolis, fiz um vídeo analisando minha derrota para o GM peruano Jorge Cori. Uma análise longa de uma partida bem rica, com um caráter mais fechado, um tipo de posição difícil de dominar. Na nossa partida, uma Bogoíndia (com ...b6), chegamos em uma estrutura típica dessa defesa, e que ocorre muito na Índia da dama também.

foto: Elana Silva de Souza

Estrutura típica (prestando atenção principalmente nos peões e nos bispos) 

Vamos entender a imagem: minha intenção não é estudar esse final, mas sim buscar partidas que foram jogadas com essa estrutura de peões (onde peões centrais brancos em casas brancas e peões centrais pretos em casas pretas), e com o bispo branco para os dois lados. Coloquei os roques para ilustrar que os reis estarão sempre desse lado do tabuleiro. Além disso, não sei onde estão as damas, torres e cavalos (é provável que não haja acontecido nenhuma troca, ou no máximo  um dos cavalos). O bispo de casas pretas já foi trocado, ideia típica dessas variantes (Bb4+) para colocar os peões nas casas pretas.

Por que estamos falando disso?

A ideia desse artigo não é ensinar como jogar essa variante, mas mostrar que existem posições típicas, de acordo com as aberturas que cada um joga. Aonde encontrar a informação desse aprendizado é outra história. Como eu falei no vídeo, eu uso o software Chessbase pra fazer buscas de acordo com a estrutura de peões e peças em jogo. A partir daí, faço uma seleção de partidas que eu possa analisar. Outra alternativa é consultar jogadores (ou treinadores) que tenham bom conhecimento de partidas, principalmente as antigas, clássicas, com planos mais claros.

Vamos ao que interessa!

Separei nove partidas com as minhas buscas, sempre com o ponto de vista das brancas, que é o meu foco nesse estudo. Não coloquei análises, mas uma breve explicação antes de cada 'capítulo', separando os possíveis planos que os dois lados fizeram.

 

1. As brancas fecham a posição

Um dos exemplos mais antigos que encontrei nesse tipo de posição é do heptacampeão brasileiro João de Souza Mendes, em uma partida de 1928, em Mar del Plata. Ele fez o surpreendente 14.b5, e fechou o centro com 19.f5, colocando todas suas esperanças na ala do rei. Depois de ganhar um peão, as pretas conseguiram uma fortaleza, até o erro decisivo 86...Rf8??. Sem esse erro, acho que ainda era possível ganhar levando o cavalo branco até b3 e preparando a ruptura com a5. Vale a pena investigar mais esse final.

 

2. As pretas jogam f5 rápido e as brancas abrem o centro

Outra partida bem antiga é do soviético Ilia Kan, um dos 15-20 jogadores mais fortes do mundo na década de 30/40. O adversário dele é outro jogador de muito destaque da época, seu conterrâneo Peter Romanovsky. Aqui as brancas jogaram b4 rápido e as pretas tentaram de imediato um contrajogo com f5, que costuma dar errado rápido assim, porque quando a posição no centro abrir, a casa fraca de e6 pode ser um problema grande (por isso 21.f4!) A força do cavalo em e6 fica nítida no lance 27, por exemplo.

 3. As brancas jogam f5 e vão jogar na ala da dama

Como fazer um artigo de posições fechadas de peão dama e não citar um dos maiores gênios posicionais da história, o ex-campeão mundial Anatoly Karpov? Nessa partida, contra o russo Valery Salov, que já foi o 3º colocado no ranking mundial, Karpov faz um plano interessante de f5 rápido e prepara a expansão na ala da dama com b3-a3-b4. Ao remover o cavalo de c5, as brancas ganham espaço, mas viabilizar c5 ainda não é simples. Confesso que não entendi bem o lance 26.h4 dele, abrindo uma segunda frente, mas incrivelmente as brancas controlam com certa tranquilidade o contrajogo das pretas na ala do rei - Depois de 35.Rc1, o plano das brancas foi concluído - neutralizar o contrajogo e começar a ganhar material na ala da dama. A partida teve algum calor ainda, mas tudo deu certo. Um exemplo muito instrutivo.

4. As pretas jogam a4 quando as brancas jogam a3 e instalam o cavalo em b3

Essa é uma questão que eu pensei durante a partida. Ao invés de voltar o cavalo pra b7, as pretas jogam ...a4! no momento que as brancas estiverem preparando a3-b4. Em mais um exemplo do grande Anatoly Karpov, dessa vez em uma partida rápida contra o GM francês Jean-Luc Chabanon, acredito que as brancas conseguem vantagem depois do lance 22, com perspectivas de preparar alguma iniciativa na ala do rei. Por conta disso, as pretas tentam 24...c5 (um tema que vai ser mencionado em três exemplos abaixo), e ficam com um peão fraco em d6. As brancas escolheram uma maneira bem segura de buscar vantagem e depois de muitas imprecisões de ambos os lados (era uma partida rápida), desperdiçaram a vantagem e o empate foi acordado.

 

5. As pretas jogam c6 rápido e ficam com o peão fraco na coluna 'd'

As três partidas abaixo contém ideias diferentes - na primeira, o GM indiano Krishnan Sasikiran instala o cavalo em b5 (principalmente pra controlar o pulo em d4) e depois de h4-Bh3, está pronto para capturar em e6, o que ele faz no momento certo, e depois ganha uma posição de peças pesadas com rei mais seguro e melhor estrutura, contra o GM russo Dmitry Andreikin. Nas outras duas, uma semelhança importante - as brancas sempre manobram o cavalo de f3 para e3(casa ideal do cavalo, atrás do peão de e4, podendo pular pra f5 e reforçando o controle de d5). A vitória do GM ucraniano Vladimir Tukmakov é muito instrutiva.

 

 

 

6. As pretas jogam a5 e axb4 abrindo a coluna 'a' e as brancas viabilizam c5 mesmo assim

Vladimir Tukmakov aparece de novo - ele é outro jogador posicional com ótimos exemplos. Seu auge foi nos anos 70 e 80, quando ele esteve entre os 10-20 melhores jogadores do mundo. Nessa partida as pretas levam tudo para a ala da dama para se defender (dobram na coluna 'a'), mas ainda assim, aos poucos, as brancas conseguem encaixar 23.c5 (taticamente, por causa do peão em e5 caindo). Na sequência, um forte centro é criado e as brancas tem boas perspectivas depois de f4-e5, mas a posição ainda era confusa quando as pretas entregaram uma peça (33...Be6??)

7. As brancas jogam f4 e Ch4-Cf5

O último exemplo é de outro grande jogador, o veterano, Alexander Beliavsky, que esteve entre os 5 melhores do mundo por muitos anos na década de 1980. Ele fez um plano bem ambicioso e imediato, trazer tudo para a ala do rei (Tae1,f4 e Ch4!?). Caso as pretas jogassem 14...g6, é interessante ver se ele ia avançar 15.f5, ou manter. 15.fxe5 dxe5 pode ser bom se as brancas conseguiram avançar a maioria na ala da dama, mas não é fácil com as peças do jeito que estão. Da maneira que seguiu a partida, as brancas conseguiram muita iniciativa no centro, e depois de instalar o cavalo em c6 e preparar g4, as pretas não tem mais esperanças.

 

Bons estudos! happy.png