x
Xadrez - Joga e Aprende

Chess.com

GRATUITO - no Google Play

GRÁTIS - na Loja do Windows Phone

VER
O Caso Kovalyov Não Aceite Pela Comissão de Ética

O Caso Kovalyov Não Aceite Pela Comissão de Ética

A Comissão de Ética da FIDE anunciou que não pode aceitar a queixa da Federação de Xadrez do Canadá sobre o incidente de vestimenta de Anton Kovalyov na Taça do Mundo devido a "uma falta de evidência de confiança." Uma declaração pela comissão foi emitida após uma reunião ter tido lugar na Segunda-feira. Entretanto, ambos Kovalyov e a sua federação responderam.

Talvez levando em conta o impacto do "caso Kovalyov" no mundo do xadrez, a FIDE decidiu postar a declaração da Comissão de Ética na íntegra no seu website. A versão curta é de que a comissão teria gostado de aceitar o caso, mas não o pôde fazer porque Kovalyov ele próprio não está a cooperar e a sua federação não pode agir em nome dele.

Como anunciou o delegado da FIDE no Canadá Hal Bond num comentário feito para o Chess.com, a Federação de Xadrez do Canadá (CFC) de facto arquivou uma queixa formal com a Comissão de Ética em 27 de Setembro. A federação é da opinião de que o organizador Zurab Azmaiparashvili violou o Código de Ética da FIDE, nas palavras de Bond devido ao seu "tratamento abusivo" de Anton Kovalyov imediatamente antes do início da terceira rodada da Taça do Mundo.

Kovalyov, que tinha eliminado Vishy Anand na segunda rodada, perdeu a sua partida da terceira rodada por falta de comparência e abandonou o torneio após ter sido convocado a mudar de vestimenta. Ele estava de calções, mas também tinha estado assim vestido nas primeiras duas rodadas. (Encontra aqui o nosso primeiro relatório do incidente.)

O incidente foi debatido fortemente no mundo do xadrez e em breve todos os principais ofereceram comentários, que tu podes encontrar aqui no nosso segundo relatório.

Anton Kovalyov leaving the World Cup playing hall. | Photo: Chess.com/Maria Emelianova.

Anton Kovalyov abandonando o recinto de jogo da Taça do Mundo. | Foto: Chess.com/Maria Emelianova.

Foi uma coincidência afortunada que a Comissão de Ética da FIDE estava para se reunir tão cedo após o incidente (o Congresso da FIDE tem lugar esta semana!) e bastante rápido após ter recebido a queixa formal do Canadá. É bastante lamentável de facto que eles não possam aceitar o caso. 

A Federação de Xadrez do Canadá indicou que estava a agir "por si própria e em nome do GM Anton Kovalyov," mas a queixa não foi suportada por uma declaração do jogador. A Comissão de Ética solicitou "uma procuração legal ou carta de autorização com a assinatura do jogador," para ter a certeza que Kovalyov concordava em ser representado pela sua federação. A comissão indicou também que uma "audição oral pública" era necessária. 

No entanto, nenhuma destas coisas foi cumprida. Como a declaração lê:

"Subsequentemente o CFC avisou que o jogador não está disposto a participar na audiência pública, através duma comparência em pessoa em Antalya ou duma vídeo-conferência. O jogador também não forneceu o CFC com uma autorização escrita para a federação o representar."

Consequentemente, a comissão decidiu que não poderia aceitar o caso indicando que "sem autorização do jogador, é impossível para a sua federação de proceder com a queixa em seu nome." A comissão indicou também que o CFC não tem "um interesse direto e pessoal que tenha sido afetado adversamente."

Entretanto Kovalyov comentou sobre a decisão da Comissão de Ética através do Facebook.

Kovalyov disse que ele de facto deu permissão a sua federação, mas que nunca lhe pediram pela sua assinatura. "Eu nunca recebi qualquer papel para assinar de ninguém." 

Ele assinalou que ele não poderia deslocar-se para Antalya mas que também não queria participar numa vídeo-conferência uma vez que ele considera este assunto todo um "circo." De acordo com Kovalyov não houveram testemunhas imparciais, e ele criticou Azmaiparashvili por comportamento anterior, e a FIDE por o apoiar.

"Portanto, para resumir, eu sei que não sou a pessoa mais esperta, mas eu acho que não sou suficientemente estúpido para testemunhar contra os interesses da FIDE num tribunal da FIDE."

Anton Kovalyov during his match with Vishy Anand at the World Cup. | Photo: Chess.com/Maria Emelianova.

Anton Kovalyov durante o seu confronto com Vishy Anand na Taça do Mundo. | Foto: Chess.com/Maria Emelianova.

Kovalyov indicou também que ele "não irá jogar de novo num único evento da FIDE," mas que não tem intenção de deixar o incidente da maneira que está. "Correntemente eu estou bastante ocupado com os meus estudos, mas eu e os meus pais tentaremos ainda assim de encontrar outro recurso mais razoável para que a justiça seja servida. Temos esperança de que teremos o apoio das autoridades Canadianas."

Num comentário ao Chess.com Vlad Drkulec, o Presidente da Federação de Xadrez do Canadá (CFC), disse que ele estava "decepcionado mas não surpreendido" pela decisão da Comissão de Ética dado o facto de que Kovalyov não quis testemunhar. Ele disse que a sua federação irá continuar a "pressionar para alguma medida de justiça."

Drkulec pensa que é do interesse do jogador que o CFC aja em seu nome, e não concorda que a federação de um jogador não tenha autoridade numa situação como esta, independentemente do 
nullconsentimento do jogador.

"É a federação e não o jogador que é um membro da FIDE. É a federação que tem a relação com a FIDE e tem pessoas que sabem como navegar as águas escuras e turvas com que o jogador não está equipado para lidar sem recorrer a advogados."

Ele mencionou também que a federação tem atualmente o consentimento de Kovalyov num email.

"[Nós] não olhamos para o seu consentimento escrito e notariado como uma alta prioridade com os prazos muito apertados com que estamos defrontados. Obviamente se Anton tivesse testemunhado pelo Skype ele podia ter indicado nessa altura que ele tinha consentido na nossa participação se esta era uma consideração importante. Este processo inteiro parece voltado para um mundo que existia há vinte ou trinta anos atrás mas que foi tornado de certo modo obsoleto por desenvolvimentos em comunicações como o email e a internet.

"Eu compreendo que as burocracias têm regras mas nós não podemos deixar que estas regras interfiram no caminho de travar este tipo de coisas de acontecer mais alguma vez."

A Comissão de Ética sublinhou que a sua decisão de não aceitar o caso não foi baseada "nos méritos da queixa." Parece que a própria comissão lamenta de não o poder fazer, e o parágrafo final de facto sugere que pelo menos alguns oficiais da FIDE concordam que o mundo do xadrez precisa de aprender com o que aconteceu em Tbilisi.

"No entanto, é óbvio que o incidente entre o organizador e o jogador revelou um número de áreas duvidosas na administração de torneios e todos concordam que existe a necessidade de uma maior regulação em assuntos tais como o código de vestimenta para jogadores e oficiais em diferentes tipos de eventos, de clarificação de quem são as pessoas responsáveis para fazer cumprir tais regulamentos e a forma apropriada de lidar com uma situação onde um jogador seja considerado de estar em violação dos regulamentos. Todos estes aspetos irão receber atenção nas reuniões das várias Comissões da FIDE que estão a decorrer presentemente aqui em Antalya."


Relatórios relacionados:


Gostarias de receber mais conteúdo de xadrez em Português? Segue estes canais!

null  /chesscom.pt null  /chesscom_pt null  /chesscomPT null  /chesscom_xadrez

Online Agora