Vachier-Lagrave: “Classificar-se Para o Candidatos Deveria Ser Igualmente Difícil Para Todos”
Depois de não se classificar para o Candidatos, Maxime Vachier-Lagrave fala abertamente. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Vachier-Lagrave: “Classificar-se Para o Candidatos Deveria Ser Igualmente Difícil Para Todos”

PeterDoggers
PeterDoggers
|
0 | Jogadores de Xadrez

O Chess.com entrevistou Maxime Vachier-Lagrave após um ano difícil e eventualmente decepcionante para ele. O jogador número um francês fala sobre não se classificar para o Candidatos, de algumas coisas a melhorar no processo de classificação e sobre a possibilidade de Alireza Firouzja jogar pela França. O texto da entrevista pode ter sido editado para maior clareza ou extensão.

A entrevista foi realizada via Skype em 2 de janeiro. Vachier-Lagrave estava na sua casa em Paris, onde mora no VI Distrito da cidade, a cerca de 20 minutos a pé da Catedral de Notre-Dame. Inclusive, ele podia ver a fumaça de seu apartamento quando a icônica catedral incendiou, fato ocorrido em 15 de abril do ano passado.

Pouco antes da entrevista, MVL havia acabado de terminar sua primeira sessão no Campeonato Mundial de Corrida de Problemas do Chess.com, onde competiu com os melhores jogadores como Peter Svidler, Hikaru Nakamura, Ray Robson e Firouzja.

"É evidente que me falta algo para derrotar esses caras", disse Vachier-Lagrave, apesar de ter se mantido na disputa após o primeiro dia e de ter resolvido uma sequência de 44 problemas em algum momento. "Não espero fazer grandes coisas. Se eu me classificar já é um grande resultado."

Uma das sensações desta primeira edição é o jogador grego Dimitrios Ladopoulos, rating FIDE 2253, que se mostra incrivelmente bom em resolver esses problemas. Como explicar que um jogador amador pode superar até os melhores grandes mestres?

Maxime Vachier-Lagrave: Sim, é divertido. Eu acho que é um grande trabalho de memorização. Ele provavelmente tem uma visão fantástica e, porque sabe que há uma tática, ele a encontrará.

Além disso, há um elemento que joga a seu favor e ajuda consideravelmente se você não é tão forte no xadrez, que é o aumento crescente na dificuldade dos problemas. É muito fácil no começo, então existe uma série de problemas por volta do 40, onde fica muito mais complicado, mas esses problemas são mais óbvios de memorizar e é assim que funciona. Se o nível dos problemas fosse completamente aleatório, seria mais difícil saber o que esperar.

Quem é o seu favorito para ganhar?

Eu acho que o Ray [Robson].

Percebi que você participa de muitos eventos em nosso site, mais do que muitos outros jogadores de destaque. Existe o Speed Chess Championship e a PRO Chess League, é claro, mas também essas batalhas de xadrez gigante com Danny Rensch em St. Louis, Batalha de Problemas, esse "adote um Danny" recentemente e nosso torneio de xadrez 960 (Fischer Random) há dois anos.

Eu tentei outras modalidades como o xadrez de duplas (Australiano), rei da colina, 3 xeques. Eu acho tudo muito divertido.

Um notícia recente foi que Ian Nepomniachtchi se retirou do Wijk aan Zee por estar cansado demais e querer se preparar para o Candidatos. Você também se sente cansado depois de um dos seus anos mais movimentados no xadrez?

Sim, eu joguei xadrez por 130 dias no ano passado, mas grande parte disso foi devido a uma agenda muito insana. Tanto a FIDE quanto o Grand Chess Tour não tiveram nenhum dos seus torneios nos primeiros quatro meses. Isso significa que, a partir do torneio na Croácia, no final de junho, devo ter ficado em casa por no máximo um mês e meio. Eu tirei uns dias livres em outubro, mas, além disso, não tive folga.

Eu entendo que fevereiro é um pouco cedo para organizar as coisas, mas março e abril estavam praticamente livres e acho que teria sido muito melhor se talvez um Grand Prix da FIDE e um ou dois eventos de rápido e blitz do Grand Chess Tour tivessem acontecido nesse período.

Também houve um debate sobre se eu deveria participar ou não do Grand Chess Tour. Este é um dos eventos em que, obviamente, você recebe melhor, mas não é essa a questão. É também um dos eventos em que você aprende mais, porque enfrenta todos os melhores jogadores do mundo.

Então, o aprendizado faz parte da motivação na hora de escolher um evento?

O aprendizado, a experiência que ele proporciona, o desafio. Você tenta superar seus maiores rivais na abertura e em outras fases da partida. É bem difícil.

Seja como for, não senti a necessidade de perder o Grand Chess Tour, já que jogaria em Abidjan e Paris, ambos eventos patrocinados por Colliers e Vivendi - e, como jogador da língua francesa, teria que estar presente. Então, basicamente, o que eu poderia evitar era jogar nos dois eventos clássicos em Zagreb e St. Louis. No momento, eu não sentia que fosse insuperável.

Maxime Vachier-Lagrave at the world blitz last week.
Maxime Vachier-Lagrave no mundial de blitz no final do ano passado. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

No início do ano, você deixou claro que a classificação para o Candidatos era sua prioridade número um. Se você olhar para trás, acha que cometeu um erro a esse respeito?

É possível. Se eu realmente quisesse maximizar minhas chances, talvez. No entanto, acho que ninguém, além de Vladimir [Kramnik], que estava se aposentando, recusou o convite para o Grand Chess Tour. É uma decisão muito difícil de tomar, especialmente porque todos estão envolvidos em algumas de suas etapas. Eu senti que poderia fazer isso.

Eu não acho que a FIDE deva ser responsabilizada por tudo, mas acho que eles e o Gran Chess Tour poderiam ter coordenado melhor os eventos.

Por duas vezes, nas transmissões ao vivo do Grand Chess Tour, Garry Kasparov criticou a FIDE por anunciar o Grand Prix no último momento, mesmo que por dez anos tenhamos uma série de Grand Prix a cada dois anos e, em geral, com a primeira etapa em fevereiro. Os organizadores do Grand Chess Tour poderiam, portanto, ter previsto. Por que você acha que o cronograma era tão apertado?

Não acho que a FIDE deva ser responsabilizada por tudo, mas acho que eles e o Grand Chess Tour poderiam ter coordenado melhor os eventos. O Grand Chess Tour cresceu muito este ano e, quando vi a programação, fiquei um pouco chateado, já que todos os torneios estavam bastante apertados. Mas ao mesmo tempo devo dizer que também estava empolgado com o desafio.

Ao chegar à final de 2019, você se classificou diretamente para o próximo Grand Chess Tour. Eles anunciaram seus eventos, mas ainda não há datas. Você está desapontado?

Eu acho que definitivamente há espaço para melhorias. No tênis, conhecemos o calendário com bastante antecedência, também para que os torneios não interfiram entre si, pelo menos os principais. Penso que este deveria ser o caso do xadrez para evitar esse caos.

Maxime Vachier-Lagrave
Vachier-Lagrave no mundial de rápido no final do ano passado. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Vamos falar sobre o Aberto de Isle of Man FIDE Chess.com [Grand Swiss]. Primeiro de tudo, o que você acha da idéia de organizar um evento no sistema suíço como parte do ciclo do Campeonato Mundial?

Acho que é realmente um bom evento e é possível tê-lo como classificatório, mas não acho que você possa usá-lo com apenas uma vaga. Com uma vaga é muito aleatório e jogadores como eu não vão jogar, especialmente com uma agenda tão movimentada. Mas se você der mais vagas... provavelmente duas não serão suficientes, mas três deve ser bom. Com três chances de se classificar, você tem certeza de que todos os melhores jogadores participarão e também há menos espaço para arranjos. Eu não acho que houve acordos este ano, mas com tanta coisa em jogo isso não é impensável; houve alguns arranjos no passado. Esse é um dos problemas do sistema suíço em comparação com o sistema eliminatório, onde acordos com os oponentes são impossíveis.

O rating médio é matematicamente incorreto.

Outra maneira de se classificar para o Candidatos era por rating médio, das listas de fevereiro de 2019 a janeiro de 2020. Você terminou logo atrás de Anish Giri, que conseguiu o lugar porque o jogador mais bem qualificado, Ding Liren, se classificou na Copa do Mundo. Qual a sua opinião sobre esse caminho específico para os candidatos?

Não sentimos tanto em 2017 porque os resultados eram normais e, este ano, não teríamos sentido se Ding tivesse se classificado por rating, mas o rating médio é matematicamente incorreto. Se você começar o ano com um rating mais alto, poderá ter resultados piores ou iguais e terminar à frente. Digamos que Anish tenha desempenhado mais ou menos o mesmo que eu, porque ele começou o ano três pontos à minha frente e agora estamos como o mesmo rating, então estávamos em um nível semelhante. E ainda em setembro eu não conseguia alcançá-lo de nenhuma maneira. No entanto, nosso desempenho ao longo do ano foi semelhante, por isso não faz muito sentido.

E vocês dois jogaram relativamente pouco nos dois primeiros meses do ano, que são os que mais contam nesse sistema.

Exatamente.

Então, o que você sugeriria?

Acho que o TPR [rating performance do torneio, ou nesse caso o rating performance no período determinado] já é muito melhor e, para ser sincero, acho que Leinier Dominguez é o que tem o melhor TPR. Não sei se o TPR é a melhor maneira de selecionar um candidato, mas é definitivamente muito mais lógico que o rating médio. Com o sistema atual, vamos dar outro exemplo significativo, digamos que você tenha dois jogadores com 2780 no início do ano - independentemente da limitação no número de jogos, mas apenas para ser esquemático - se alguém joga apenas um torneio em fevereiro e ganha 15 pontos e o outro joga seu único torneio em dezembro e ganha 50 pontos, este último será completamente esmagado pelo primeiro. É totalmente ilógico.

Como é possível que esse erro tenha sido cometido?

Se as pessoas não prestam atenção, é possível cometer esses erros. O problema é que não fomos consultados. O bom é que agora pude compartilhar meu ponto de vista e espero que pelo menos meus pontos sejam levados em consideração.

E o que não ajudou em nada foi que Giri se retirou do Aberto de Isle of Man, que na verdade era uma quebra de contrato. Até onde eu sei, o Conselho Presidencial da FIDE ainda não tomou uma decisão sobre esse assunto, ou pelo menos não a publicou.

Sim, é estranho, porque eles anunciaram que tomariam uma decisão em dezembro. Se eu tivesse que dar minha opinião pessoal, deve haver uma multa substancial, apenas para evitar que se repita e também por respeito aos organizadores. Na época, esperei até o prazo final para assinar minha decisão sobre o Isle of Man, que coincidiu com o início do Grand Prix de Riga. Se eu tivesse sido eliminado na primeira rodada lá, eu teria jogado em Isle of Man, mas decidi correr o risco.

Anish Giri
Anish Giri no final do ano passado em Moscou. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

De fato, embora eu não tenha mencionado isso ainda, adicionar um único evento ao meu calendário teria sido demais - mesmo que o torneio tenha sido realmente interessante. É injusto não poder participar do Isle of Man para ter mais opções para me classificar para o Candidatos.

Enfim, então optei por apostar nisso, especialmente depois de ter disputado uma Copa do Mundo por um mês, não consegui me ver voltando uma semana depois e não distribuindo um bom número de pontos de rating.

Eu acho que deveria haver uma sanção financeira, para ser honesto, como um aviso a todos que pudessem ser tentados a fazer o mesmo.

Portanto, por uma questão de princípio, todas as pessoas deveriam ter sido tratadas igualmente. Nos pediram para enviar o contrato de volta, ou não, se você não quisesse jogar, em uma determinada data. Então você deve realmente ser capaz de justificar sua retirada se decidir não jogar. Acho que Anish não foi o único a se retirar, acho que Dominguez o fez e outros também. Eu acho que deveria haver uma sanção financeira, para ser honesto, como um aviso a todos que pudessem ser tentados a fazer o mesmo. Na verdade, fui convidado após a Copa do Mundo, mas claramente não havia como incluir mais um torneio, pois precisava descansar e me preparar para os próximos eventos.

Você também criticou o match de disputa pelo terceiro lugar na Copa do Mundo, afirmando que, além de uma pequena diferença no prêmio em dinheiro, a disputa não fazia sentido. No entanto, naquele momento, parecia realmente relevante, pois a terceira posição poderia favorecer alguém ao receber um convite oficial para o Candidatos. Você acha que estava certo em criticá-lo?

Na minha opinião, teria sido relevante se, digamos, Magnus [Carlsen] ou Fabiano [Caruana] tivessem participado da Copa do Mundo, porque nesse caso eu poderia hipoteticamente determinar quem poderia se classificar. No caso de um dos dois jogar, mas não chegar à final, não importa, você não poderia alterar toda a estrutura do torneio na metade. Não seria consistente propor que, se um dos dois chegasse à final, haveria um desempate para o terceiro lugar. Seria ilógico. Mas então sabíamos que isso não seria decisivo e, do meu ponto de vista, a melhor solução seria conceder a ambos os semifinalistas o status de elegíveis para receber o convite oficial, mas não fazê-los jogar mais uma semana. Especialmente se uma semana depois tivesse o Isle of Man.

Wang Hao
Wang Hao, o vencedor em Isle of Man Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Sendo honesto, acho que não teria influenciado minha decisão de não participar em Isle of Man, embora a porcentagem pudesse subir de zero a dez por cento, já que eu poderia ter tido mais tempo para descansar. E vendo o valor que a FIDE deu ao torneio, havia boas razões para jogar, porque o torneio foi mais interessante. Teria sido mais lógico garantir que os jogadores pudessem iniciar o evento nas melhores condições possíveis, em vez de estender o calendário por mais uma semana. Então, eu mantenho meu argumento; uma vez que soubemos que na verdade não nos classificaríamos para o Candidatos, a disputa pelo terceiro lugar estava totalmente fora de ordem.

Você concorda que a participação de Magnus e Fabiano no Isle of Man não deveria ter sido permitida?

No começo, pensei que não era relevante, mas na realidade é. De fato, mesmo a participação deles na Copa do Mundo não deveria ser permitida. Nesse caso, poderíamos esquecer o match de desempate pelo terceiro lugar. Mas do ponto de vista deles também é um pouco estranho, porque, por exemplo, a Copa do Mundo é um evento muito divertido que você pode querer jogar, não importa o que aconteça, então não tenho tanta certeza. Mas certamente parece um pouco estranho fazer parte do processo de classificação quando você já está classificado ou não precisa fazê-lo porque é o Campeão do Mundo.

Carlsen and MVL meet at the world rapid
Carlsen e MVL se enfrentam no mundial de rápido. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Como você vê o Grand Prix como um meio de classificação?

Era um sistema justo. Eu acho que a ideia de mudar para o formato nocaute foi interessante. É óbvio que isso também fez com que os ritmos das partidas rápidas e blitz fossem mais importantes, pois fazem parte do Grand Prix e da Copa do Mundo, com quatro lugares no total. Além disso, acho que os pontos de bônus eram uma boa ideia, embora tivessem muito peso.

De fato, desta vez eu me beneficiei, já que fui eu quem ganhou mais partidas com pontos de bônus. Ou talvez [Alexander] Grischuk tenha conseguido o mesmo, não tenho certeza. Mas acho que os pontos de bônus devem ser limitados, embora não eliminados, pois são um incentivo claro para a luta antes de chegar aos desempates.

Muitas pessoas ficaram surpresas ao acreditar que o motivo da minha carta aberta era solicitar um convite oficial. Não era.

Isso me leva a um tópico sobre o qual ainda não falamos, mas isso é bastante óbvio. Muitas pessoas ficaram surpresas ao acreditar que o motivo da minha carta aberta era solicitar um convite oficial. Não era. Não havia garantia de que eu teria vencido este match com o Alekseenko.

Eu posso imaginar pessoas interpretando dessa maneira. Você basicamente disse que, no início, os russos ficaram satisfeitos com a idéia de poder garantir a participação de um compatriota, mas que, uma vez que dois jogadores russos se classificaram, a necessidade de um terceiro era supérflua.

Talvez tenha sido mal formulado, a idéia é que eu ficaria feliz em jogar por isso. Não escrevi esta carta aberta com a esperança de obter o direito de disputar um match. Eu sabia que era muito improvável, mas também não conseguia ficar calado diante dos rumores que haviam sido criados.

Não estou interessado em um convite oficial. Para mim, a intenção era jogar um match, se possível.

Entendo que a Federação Russa de Xadrez quer ter outro jogador daquele país, é compreensível se eu me colocar no lugar deles. Não há nada de errado em usar um convite oficial dessa maneira. No entanto, acho que não deveria existir. Por isso não estava pedindo. Não estou interessado em um convite oficial. Para mim, a intenção era jogar um match, se possível.

Um argumento que freqüentemente aparece a favor de um convite oficial é que ajuda a encontrar um patrocinador.

Acho que os membros do conselho da FIDE estão trabalhando duro para conseguir novos patrocinadores e acordos para tornar o xadrez mais popular e acho que, em geral, o xadrez é muito mais popular do que há cinco anos, ou talvez até dez, então há espaço para conviver sem convite oficial. Sei que, a certa altura, algumas pessoas tentaram pressionar por uma candidatura francesa para receber o Candidatos. Eu disse claramente que, se eles queriam organizar este torneio na França, era muito bom, mas que eles precisavam fazê-lo para tornar o xadrez mais popular em nosso país e não para me conceder um convite oficial.

Antes de mudar de assunto, gostaria de saber por que você foi tão crítico quando a Federação Russa de Xadrez anunciou sua decisão de escolher um jogador russo através de um possível match eliminatório.

O momento foi ridículo. Eles o tornaram público durante o Grand Prix de Hamburgo. Embora não houvesse impedimento legal para fazê-lo, acredito que deveria ser estabelecida uma regra que permitisse que ela fosse anunciada somente quando o ciclo terminasse, por mero respeito aos participantes. Eu sabia que era provável que um jogador russo fosse o escolhido, mas não, por exemplo, que um match fosse realizado entre todos os candidatos daquele país. Em geral, por respeito aos participantes do ciclo em andamento, devemos esperar que ele termine. Isso garante que o ciclo atual não seja afetado. Ao designar uma vaga naquele momento, o Candidatos já estavam sendo influenciado. Por que influenciá-lo ainda mais? Foi realmente irritante.

Maxime Vachier-Lagrave
Vachier-Lagrave não estava satisfeito com o momento em que os russos anunciaram o convite oficial. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Você ainda vai acompanhar o Candidatos?

Sim, será divertido assistir. Claro, será um pouco triste não estar lá, embora eu ache que fiz o suficiente este ano para merecer um lugar, mas isso é outra história. Nem sempre funciona assim nos esportes.

O calendário desse ano tornou muito mais difícil para mim do que para os outros.

Sim, muitas pessoas pensam como você. Por um lado, você é de longe o jogador mais forte que não se classificou; Você foi, de fato, o primeiro não classificado na Copa do Mundo, no Grand Prix e também pelo rating médio. Por outro lado, toda vez que você teve a chance, você a deixou escapar.

É verdade, e é por isso que acho que não foi justo. O calendário deste ano tornou muito mais difícil para mim do que para alguns dos meus rivais. Basicamente, na última etapa dos torneios, e não apenas aqueles decisivos, mas todos em geral, como o Paris Grand Chess Tour que ganhei, acabei de uma maneira horrível. Em St. Louis, no ritmo clássico, aconteceu o mesmo comigo. Era, portanto, fadiga física, e essa exaustão apareceu nas rodadas finais. Também afetou meu cansaço mental e minha capacidade de lutar da melhor maneira possível. Então é verdade que eu perdi alguns match points, por assim dizer, mas o calendário deste ano claramente não me ajudou.

Mas não aconteceu o mesmo com outros jogadores que também fizeram parte do Grand Chess Tour? Ian Nepomniachtchi, Shakhriyar Mamedyarov, Levon Aronian, Sergey Karjakin, Anish Giri...?

Acho que todos sofremos este ano. Antes de tudo, nem Shakhriyar nem Levon se classificaram. Anish conseguiu ser eliminado de todos os eventos do Grand Prix muito rápido. [Sorri.] Nepo também teve dificuldades. Ele também teve um calendário frenético, é claro, então tem meu reconhecimento por ele ter conseguido seu lugar. Mas de todos os jogadores que mencionamos, apenas Levon jogou em Isle of Man, e isso novamente destaca o problema que levantei anteriormente sobre sobrecarregar o calendário com a adição deste evento.

Foi sugerido no passado que, para selecionar os oito jogadores para o Candidatos, com exceção do campeão mundial, deveríamos usar um sistema mais simples, por exemplo, oito lugares com base no rating (médio) ou no TPR [rating performance no torneio].

Eu acho que esse não é o caminho a seguir. Acho que é bom termos esses torneios de classificação, mas havia muitos deles. Gosto dos três meios de se classificar, exceto o Aberto, se for apenas uma vaga.

Você acha que a FIDE deveria entrar em contato com mais frequência com os melhores jogadores para conhecer suas opiniões?

Sim, mas também sei por experiência própria que nós temos nossa parcela de responsabilidade, pois, às vezes, não demonstramos interesse em responder às pesquisas em geral. Eu gosto de compartilhar minha opinião, mas esse não é o caso de todos os jogadores. Alguns têm outras coisas para fazer, e às vezes consigo entender. Seja como for, estamos em um bom momento, porque acredito que nossa opinião é valorizada em muitos assuntos. Nossas idéias são baseadas na experiência, que é muito mais ampla do que a das pessoas que estão no comitê do Campeonato Mundial.

Maxime Vachier-Lagrave
Vachier-Lagrave no final do ano passado em Moscou. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Não há outra maneira de dizer isso: no final, você simplesmente não conseguiu se classificar. Existe um momento do ano passado que você mais se arrepende?

Foi mais o processo como um todo, porque mesmo no último match com Ian, perdi algumas oportunidades, especialmente uma para recuperar a desvantagem, mas naquele momento minha cabeça não funcionou; Meu cérebro simplesmente desligou. No geral, eu não poderia fazer muito mais. O mesmo aconteceu na Copa do Mundo, onde meu cérebro desligou por cerca de 10 minutos, mas até meu match com Yu Yangyi foi um pesadelo, não apenas para mim, mas para ele também. Claramente, o cansaço apareceu. A Copa do Mundo foi o fim de uma maratona de quatro meses.

Você explica Levon ter deixado escapar a vitória contra você da mesma maneira?

Sim, claro, o calendário tem sido muito difícil para todos. Alguns dos erros que cometemos são resultado do estresse, mas a maioria deles é causada pela exaustão, que influencia muito mais que o estresse mental. Não alcançamos o topo sem incorporar algumas estratégias mentais, isso é evidente.

Você faz exercícios físicos?

Normalmente eu tento fazer, mas este ano foi impossível.

Se eu quiser melhorar e me classificar para o Candidatos, a fim de ter chances para vencê-lo, devo estar no mesmo nível de Ding, e isso não é uma tarefa fácil.

A FIDE pode aprender com os erros cometidos. O que você acha que você pode aprender com 2019?

Eu tiro algumas lições muito valiosas, porque, embora eu possa reclamar sobre como algumas coisas foram organizadas, eu não joguei o suficiente, por isso tenho espaço para melhorias. Por exemplo, Ding se classificou por rating e ainda chegou à final da Copa do Mundo, e duas vezes consecutivas. Portanto, alguns aspectos não funcionaram para mim e meu ano foi muito pior que o de Ding. Então, se eu quiser melhorar e me classificar para o Candidatos, a fim de ter chances para vencê-lo, devo estar no mesmo nível de Ding, e isso não é uma tarefa fácil. Esse é o tipo de objetivo que devo buscar se não quiser depender de eventos externos.

Quem é o seu favorito para ganhar o Candidatos?

Em um torneio em que o nível de jogo é tão decisivo, tenho dois favoritos, Ding e Caruana. No entanto, muitas circunstâncias externas podem influenciar o desenvolvimento do evento. O início será significativo, caso algum jogador avance na classificação, por exemplo. Afinal, é apenas um torneio, mesmo que sejam 14 rodadas. Provavelmente fico com esses dois jogadores, mas não com uma margem muito ampla em relação aos outros.

E quanto a Alekseenko?

Não acho que ele irá mal. Eu o vi pela primeira vez em um torneio em 2012, no Campeonato Europeu de Plovdiv, e ele se saiu muito bem. Eu o notei apenas porque ele tinha 2300 e teve uma performance em torno de 2700.

Não acho que ele tenha uma pontuação ruim como candidato. Na minha opinião, ele mostrou que pode competir de igual para igual com esse tipo de jogadores. Mesmo na Copa do Mundo, ele encarou Ding com muita seriedade.

Kirill Alekseenko
Kirill Alekseenko. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Do meu ponto de vista, nenhum jogador roubou o lugar de outro, por assim dizer. Só que alguns deles tiveram um caminho mais fácil para o Candidatos do que outros e isso não é justo, basicamente. A classificação para o Candidatos deve ser igualmente difícil para todos. Esta é a principal mensagem que desejo enviar.

Mudando de assunto, Alireza Firouzja está tentando mudar de federação e há um boato de que ele poderia jogar pela França, onde mora. O que você acha?

Essa mudança custa 50.000 euros e eu não acho que a Federação Francesa de Xadrez tenha esse dinheiro, mas eu posso estar errado. Na realidade, para um jogador desse calibre, pelo menos desse potencial, sejamos honestos: 50.000 euros é pouco. Ele claramente tem potencial para se tornar campeão mundial e ele já mora na França.

A possibilidade de ter uma equipe mais forte é realmente uma notícia bastante emocionante. Não sei se vou fazer parte da equipe olímpica nas Olimpíadas de Moscou, não está claro no momento, pois há alguns problemas entre a federação e eu. No entanto, no geral, é muito emocionante que Alireza possa jogar pelo meu país. Embora eu ache que ele deve ter outras ofertas, então não sei o que ele decidirá no final, mas seria bom tê-lo em nossa equipe.

Ele mostra coisas em seu jogo e sua atitude que me lembram o Magnus.

É interessante que você já o considere um potencial campeão mundial, porque o sucesso dele dura apenas dez meses. Não é muito cedo para prever um futuro assim para ele? O que você vê nele que outros jogadores não têm?

Ele mostra coisas em seu jogo e sua atitude que me lembram o Magnus. A maneira como ele trata as coisas no tabuleiro de xadrez, sua visão do jogo e como ele coloca suas peças, inevitavelmente me faz pensar em Magnus. Obviamente, ainda há um longo caminho a percorrer e não será automático, mas se continuar a progredir dessa maneira, certamente chegará ao topo.

Alireza Firouzja.
Alireza Firouzja. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Você vê isso nas partidas clássicas ou mais nas partidas mais rápidas?

Eu diria que é mais perceptível nas partidas mais rápidas. Percebi quando o vi jogar em Moscou.

Com você e com ele na equipe, e talvez também Maxime Lagarde ainda em ascensão, a França poderia disputar as medalhas?

Não esqueça [Etienne] Bacrot e [Laurent] Fressinet. Por exemplo, o Bacrot é um tabuleiro dois ou três muito sólido e, no momento, ainda tem seu lugar em uma equipe que pode competir por medalhas ou mais, embora obviamente não no primeiro tabuleiro. Ele tem muita experiência para ajudar a equipe.

Maxime Lagarde teve um desenvolvimento interessante recentemente. Ele ainda tem um longo caminho pela frente, mas se saiu muito bem durante o verão (europeu). Ele tem algumas coisas a melhorar. Ele é jovem, só começou a levar o xadrez a sério recentemente por causa de seus estudos. Acho que ele tem potencial para se tornar 2700. Então, sem dúvida, com Firouzja na equipe, poderíamos chegar ao topo. Não seríamos os favoritos, mas teríamos pelo menos muitas chances de medalhas.

Eu sempre tenho a impressão de que a conexão entre jogadores franceses é realmente boa; Vocês parecem bons amigos. Vocês costumam se reunir fora do tabuleiro?

Em geral, sim. Mas depende. Nem sempre nos vemos com tanta frequência, mas nos damos muito bem e, se nos encontramos nos mesmos torneios, gostamos de passar um tempo juntos e jogar todos os tipos de jogos. Eu realmente acho que a atmosfera da equipe francesa é especial.

Não há grande rivalidade, e isso ajuda. Na verdade, não sei o que aconteceria se Firouzja jogasse em nossa equipe e desenvolvesse algum tipo de rivalidade. Mas não acho que isso aconteça, porque, para ser honesto, ele é treze anos mais novo que eu, o que significa que tenho pelo menos seis anos para competir no mais alto nível. Vejo que é pouco provável que me mantenha no top 10 com 50 anos como Vishy [Anand]. Embora eu possa me surpreender a esse respeito!

Então, poderíamos ser rivais, mas não por muito tempo. E, de fato, acredito que a rivalidade é saudável se as pessoas forem razoáveis. Estou ciente de que houve algumas tensões na equipe dos EUA, mas eles foram capazes de resolvê-la e vencer a Olimpíada.

O espírito de equipe é importante para mim, ter o prazer de jogar na equipe. Se você não gosta de jogar na Olimpíada, não há razão para jogá-la. Mas, além do espírito de equipe, você também precisa de jogadores realmente fortes. Portanto, não vejo motivo para uma rivalidade entre mim e Firouzja, provavelmente será mais uma cooperação, até que, é claro, nos deparemos com desafios individuais. Mas, nesse caso, não serei desagradável para defender o que é meu, esse não é o meu estilo.

Eu também gostaria de mencionar que você tem seu próprio site e escreve um blog nele. Vários dos melhores jogadores do mundo têm seu próprio site, mas poucos o atualizam com frequência. Isso faz parte do seu patrocínio?

Na verdade, não. Eu simplesmente gosto de expressar minha opinião dessa maneira. Precisamente por ter criticado o desempate pelo terceiro lugar, tive a oportunidade de falar com os líderes da FIDE. É uma maneira de divulgar minhas opiniões à comunidade do xadrez em geral e, assim, aspirar a melhorar as condições do nosso esporte, não apenas para mim, mas para todos, além de tornar tudo mais divertido.

Quais são seus planos para 2020?

Jogarei novamente a PRO Chess League e meu primeiro match será realizado em breve. [Os France Roosters enfrentam os Poland Hussars em 9 de janeiro.] E então eu jogarei em Gibraltar e na Noruega e, além disso, potencialmente no Grand Chess Tour, mas não tenho outros compromissos no momento. Vou tentar manter um calendário reduzido, o que me permitirá melhorar minha condição física e, assim, enfrentar o próximo ciclo do Campeonato Mundial em melhores condições.

Mais de PeterDoggers
Lagno Vence a Final da Terceira Etapa do GP do SCC Feminino

Lagno Vence a Final da Terceira Etapa do GP do SCC Feminino

Dominguez Vence o Torneio Magistral de León

Dominguez Vence o Torneio Magistral de León