Frank Marshall, Parte 4: St. Petersburgo 1914 e Os Deuses Do Xadrez
Igreja do Salvador do Sangue Derramado em St. Petersburgo

Frank Marshall, Parte 4: St. Petersburgo 1914 e Os Deuses Do Xadrez

Silman
IM Silman
14/04/2018, 00:00 |
34 | Outros

Em parte 3 nós deixámos Frank Marshall a jogar num torneio ou confronto um após outro. Nada mudou em 1912. O tipo parecia viver para o xadrez e ele continuou a competir por toda a Europa, Rússia, e os EUA. Uma vez que ele não podia voar para esses locais, pode-se imaginar quanto do seu tempo foi gasto em navios e trens.

Pessoalmente, eu teria ficado esgotado uma vez que chegas onde queres estar, tu tens de jogar num torneio por um par de semanas ou um mês ou mesmo mais. Depois, quando este acaba, tu fá-lo de novo!

frank marshall chess

Marshall via Wikipedia. 

1912

San Sebastian

O primeiro torneio de Marshall em 1912 foi o congenial San Sebastian. Ele teve resultados razoáveis, mas eu tenho a certeza que ele desejava ter feito melhor:

Akiba Rubinstein foi primeiro, Spielmann e Nimzowitsch empataram em 2º e 3º, Tarrasch foi 4º, Julius Perlis foi 5º, e Marshall 6º. Outros jogadores foram Duras, Teichmann, Schlechter, Leonhardt, e Forgacs por fim.

Bad Pistyan

Marshall teve aqui melhores resultados, mas o evento foi um triunfo para Rubinstein que espancou os outros jogadores com 12 vitórias, 4 empates, e uma derrota. Spielmann terminou em segundo 2,5 pontos atrás de Rubinstein, e Marshall foi 3º. Alguns dos outros jogadores: Schlechter, Duras, Teichmann, Alapin, Breyer, etc.

EXERCÍCIO 1

Budapeste

Teleportando para um torneio em Budapeste, Marshall e Schlechter empataram em 1º e 2º, Duras e Maroczy empataram em 3º e 4º, e Teichmann e Vidmar empataram em 5º e 6º.

18th DSB Kongress, Breslau

Marshall terminou em 6º lugar entre 18 jogadores. Este torneio é famoso pelo brilhante sacrifício de dama de Marshall.

Aqui está o que disse Marshall: "Talvez tivessem ouvido falar sobre esta partida, que tanto entusiasmou os espectadores que eles me atiraram moedas de ouro! Eu tenho frequentemente sido perguntado se isso realmente aconteceu. A resposta é sim, foi isso que aconteceu, literalmente!"

EXERCÍCIO 2

Confronto de Biarritz

Marshall vs. Janowski

Este foi um confronto de nove-partidas. Marshall massacrou o seu eterno adversário com 6 vitórias, 1 derrota, 2 empates.

Aqui está a partida favorita de Marshall deste confronto:

1913

Nova Iorque National

Com 14 jogadores, os pesos pesados eram Capablanca, Marshall, e Janowski. Capablanca ficou em primeiro (embora tenha perdido uma partida para Jaffe), e Marshall (que foi o único jogador sem derrotas) ficou meio ponto atrás.

Embora Marshall continuasse a atacar sempre que possível (e por vezes ele atacava quando não era possível!), Marshall tinha percebido que, quando tu jogas um tipo de elite frequentemente não o consegues intimidar. Em vez disso tu precisas de competências em finais (e Marshall era já muito bom em finais), aberturas sólidas, e a capacidade de jogar solidamente. Por outras palavras, ele estava a tornar-se um jogador bem equilibrado que preferia um xadrez forte e atacante e ao mesmo tempo aceitando a realidade se o tabuleiro lhe dizia para aplicar os freios.

Havana

Oito jogadores (14 partidas cada), e os três grandes, mais uma vez, Capablanca, Marshall, e Janowski. Marshall ficou em primeiro, perdendo apenas uma partida para Janowski (Marshall venceu a sua outra partida.). Capablanca foi segundo (ele perdeu uma partida para Janowski e outra derrota para Marshall).

A seguinte partida mostra que Marshall venceu devido a paciência e boa defesa. Sim, Capa estava a vencer esta partida, mas muitas "posições vitoriosas" foram atingidas por infortúnio graças a uma defesa sólida.

 

O Confronto de Nova Iorque

Marshall vs. Oldrich Duras

Marshall venceu com uma pontuação de 3-0. Esta é uma grande vitória uma vez que Duras era um jogador excepcionalmente forte.

 

Nova Iorque Progressive

Quanto jogadores (12 partidas): Frank Marshall, Oldrich Duras, Oscar Chajes, e Charles Jaffe. Marshall venceu com 5 vitórias e uma derrota.

1914

Preliminares de St Petersburgo

Este era um torneio extremamente importante, e só o topo cinco passaria à final. Isidor Gunsberg e Joseph Blackburne não tiveram uma chance. Isso deixou Janowski, Ossip Bernstein, Marshall, Rubinstein, Capablanca, Tarrasch, Lasker, Nimzowitsch, e Alekhine. Não foi uma surpresa quando Janowski se despenhou e ardeu, e Bernstein jogou melhor do que se esperava (ele ficou empatado em 6º e 7º com Rubinstein, que não foi nada de ter vergonha, mas ele não alcançou a final.).

Nimzowitsch só conseguiu obter o 8º lugar (o que quer dizer que ficou afastado), e Rubinstein (pensado ser um favorito) perdeu para Lasker e Alekhine, deixando-o em 6º lugar e com "uma boa mas não suficiente boa" viagem de regresso a casa.

Capablanca estava ao rubro e terminou 1,5 pontos em frente dos jogadores que ficaram em 2º e 3º, Lasker e Tarrasch. Alekhine ficou em 5º, e Marshall surpreendeu um bom número de adeptos de xadrez ao terminar em 4º (ele apenas perdeu uma partida. Quem foi? O seu nêmesis Alekhine!).

Uma palavra sobre Lasker: ele não tinha jogado um torneio em cinco anos (!) e não havia a certeza de que as teias de aranha iriam desaparecer a tempo (ou alguma vez). Portanto, ficar empatado em 2º e 3º for um resultado perfeitamente aceitável.

A partida de Marshall contra Bernstein foi crítica.

Final de St. Petersburgo

Pareceu que Capablanca iria vencer facilmente uma vez que os resultados das preliminares eram transferidos para a final. Isso significou que, indo para a final, Capablanca estava 1,5 pontos à frente de todos os outros.

No entanto, Emanuel Lasker tinha agora aquecido e esmagou a competição, escaldando os seus rivais ao concluir com 7-1 (6 vitórias, 2 empates, sem derrotas). Capablanca teve 5 pontos, Alekhine teve 4, e Tarrasch e Marshall tiveram 2. Quando os pontos preliminares foram acrescentados, Lasker venceu o torneio por meio-ponto sobre Capablanca.

De acordo com Marshall, o Tsar da Rússia “conferiu em cada um dos cinco finalistas o título de ‘Grande mestre de Xadrez.’”

Eu gostaria de partilhar alguns parágrafos do livro de Marshall, “Marshall’s Best Games of Chess”, que examina o que Marshall fez após a final de St. Petersburgo:

“Após visitar vários locais na Rússia e Alemanha, dando exibições, eu fui para Mannheim. O torneio ali estava pouco mais do que metade acabado quando terminou repentinamente devido ao começo da primeira guerra mundial. Foi surpreendente como o local ficou rapidamente infestado com soldados. Eles pareciam aparecer do nada. O único representante Francês, D. Janowski, e os três Russos, Alekhine, Flamberg e Bogoljubow, foram imediatamente colocados sob prisão. Os jogadores Alemães, incluindo Krueger, Carls e John, juntaram-se prontamente ao exercito. Dr. Tarrasch viu os seus dois filhos partir para as linhas da frente. Os restantes jogadores foram convidados a partir.

“Eu dirigi-me para a fronteira Holandesa e cheguei a Amesterdão depois de muitas aventuras. Uma viagem que leva normalmente sete-horas, levou-me 39 horas. Algures na fronteira eu perdi a minha bagagem, que continha todos os meus bens e os presentes que eu tinha recebido em St. Petersburgo e nos outros locais. Após alguns dias em Paris e Londres, eu recebi finalmente ´acomodações especiais´no navio S.S. Rochambeau e regressei a casa.

“Cinco anos mais tarde, para minha completa surpresa, as minhas malas chegaram a Nova Iorque, com os seus conteúdos intactos!"

DSB-19 Kongress, Mannheim

Após St. Petersburgo, ficou claro que Lasker ainda era o melhor jogador do mundo com Capablanca um pouco atrás dele. O 3º melhor jogador era um pouco duma surpresa: Alekhine! De facto, estas colocações acabaram por estar 100 porcento corretas uma vez que Capablanca arrebatou finalmente o campeonato do mundo em 1921 de um envelhecido Lasker e, como se fosse a vez de Alekhine, Capablanca perdeu o título para Alekhine em 1927.

No entanto, não ignoremos Marshall, que (agora no seu auge) não foi suficientemente bom para derrotar os três deuses do xadrez, mas teve bons resultados contra quase todos os outros. O excelente resultado de Marshall em St. Petersburgo provou que Marshall era (dependendo da sua forma, que era inconstante) de 4º a 8º no mundo. Isso foi provado no muito forte evento de Mannheim, com Alekhine dominando (9,5-1,5), Vidmar e Spielmann empatados em 2º e 3º, e Janowski, Marshall, Reti e Breyer empatando todos de 4º-7º. Outros jogadores: Bogoljubov, Tarrasch, Duras, Tartakower, Mieses, etc.

 

EXERCÍCIO 3

Por favor procura pela parte 5 (e última) desta série na próxima semana.


Gostarias de receber mais conteúdo de xadrez em Português? Segue estes canais!

null  /chesscom.pt null  /chesscom_pt null  /chesscomPT null  /chesscom_xadrez
Mais de IM Silman
Frank Marshall, Parte 3: Capablanca Entra em Palco

Frank Marshall, Parte 3: Capablanca Entra em Palco

Frank Marshall, Parte 2: A Luta Pelo Campeonato Mundial

Frank Marshall, Parte 2: A Luta Pelo Campeonato Mundial