x
Xadrez - Joga e Aprende

Chess.com

GRATUITO - no Google Play

GRÁTIS - na Loja do Windows Phone

VER
Mais Sobre As Minhas Partidas de Xadrez Clássicas Favoritas

Mais Sobre As Minhas Partidas de Xadrez Clássicas Favoritas

Esta série é totalmente dedicada às partidas clássicas que me impressionaram duma maneira profunda quando eu era adolescente (tinha 15 anos). Duma forma geral, estas eram partidas posicionais, uma vez que para um miúdo que tinha crescido com o xadrez atacante e de combinações (dos 12 aos 14 anos), as considerações estratégicas tinham sido deixadas para trás, e por isso eram estrangeiras.

Portanto, quando eu tinha acabado de estudar as partidas por Anderssen, Morphy, Spielmann, Marshall, Alekhine e Tal, eu decidi dar uma vista de olhos aos jogadores menos extremos e alargar os meus horizontes de xadrez.

Esta é a parte 14 nesta série. Podes ler os primeiros 13 artigos ao usar esta pesquisa e rolar para baixo.

As partidas que eu partilharei podem ou não ser obras primas; o critério para esta série são aquelas partidas que me ensinaram lições extremamente importantes, que me fizeram um jogador mais equilibrado em todas as áreas e muito mais forte. Desejo que estas partidas te ensinem as mesmas lições, e assim melhorem a tua compreensão posicional e te ajudem a ser um jogador melhor.

Eu deixei esta série durante bastante tempo mas, de vez em quando, eu volto a ela porque acho estas partidas incrivelmente instrutivas e também (em muitos casos) ....surpreendentes (mind-blowing...).

null

A partida seguinte é algo que vi pela primeira vez quando tinha cerca dos meus 15-16 anos. Tenho de confessar que ao estudar esta partida foi como apanhar um bofetada na cara e esta mudou completamente a maneira como eu vi os peões passados. Não só me ensinou como bloquear um peão passado inimigo, e não só me ensinou como preservar esse bloqueio, mas esta também me ensinou o que o lado com o peão passado deve tentar fazer.  

Aqui estão os primeiros lances:

Então, sobre o que é esta posição? A resposta é, sobre a casa-d6 (se consegues controlar essa casa então o peão das Brancas não pode avançar), E a casa-e5 (isso mesmo! Verás mais tarde porque é que a casa-e5 é tão importante). Na verdade, controlar a casa-d6 é uma questão de vida ou morte!
Em geral, deve ser um cavalo a bloquear:
Um bispo não bloqueia muito bem (é claro que existem sempre excepções) uma vez que pode acabar por ser 'um peão mais alto'.
Por vezes uma dama pode bloquear bem (ela pode pular da casa bloqueada num piscar de olhos e saltar atravês do tabuleiro num único pulo, e frequentemente causando estragos.), mas uma torre é uma peça absolutamente horrível para colocar em frente de um passado inimigo.
Mais para a frente da partida irás ver que um rei também pode ser bom a bloquear (embora só depois das damas terem partido)!
Voltemos à nossa partida. As Pretas vão tentar deter o peão-d5 ao colocar um cavalo em d6 enquanto as Brancas irão tentar e impedir o bloqueio.
As Pretas estão melhor uma vez que o peão-d5 foi completamente bloqueado (o seu bloqueio foi um grande sucesso!) e controlam a deliciosa casa em e5. No entanto, as Pretas agora parecem enlouquecer. Será mesmo?

Em caso de pensares que um peão passado afinal não é tão bom, olha para a seguinte partida. As Pretas têm dois peões ligados passados em a5 e b5. No entanto, o peão passado das Brancas não foi bloqueado e, como resultado, está muito perto da casa de promoção. Quando reparas também que o rei das Pretas já não está a salvo atrás dos seus peões, tu deves procurar arduamente por uma maneira de esmagar os sonhos mais estimados das Pretas.


Como podes ver, um peão passado na sexta ou sétima fileira pode ser extremamente forte. No  entanto, se o bloqueias na quinta fileira então podes, em muitos casos, transformar um passado numa deficiência.


Gostarias de receber mais conteúdo de xadrez em Português? Segue estes canais!

null  /chesscom.pt null  /chesscom_pt null  /chesscomPT null  /chesscom_xadrez

Online Agora