x
Xadrez - Joga e Aprende

Chess.com

GRATUITO - no Google Play

GRÁTIS - na Loja do Windows Phone

VER
É Este o Futuro do Xadrez?

É Este o Futuro do Xadrez?

O GM Emil Sutovsky publicou recentemente algumas notícias chocantes na sua página de Facebook: um programa de computador, Ponanza, bateu o melhor jogador de shogi do mundo. Não só isso, mas logo no primeiro lance o programa de computador introduziu uma inovação: nenhum jogador profissional de shogi tinha jogado este lance alguma vez antes. Eu suponho que deve ser bastante como abrir um jogo de xadrez com o lance 1.Na3 ou 1.f3.  

null

Ponanza vs o profissional de the shogi Takayuki Yamasaki. Foto: Shinji Fukamatsu.

É claro, isto não são notícias surpreendentes para os jogadores de xadrez. Infelizmente, nós passámos por esta fase de desenvolvimento do computador há muito tempo atrás. 

Hoje em dia, um programa de topo pode literalmente executar qualquer primeiro lance e confortavelmente bater Magnus Carlsen. O futuro da competição de xadrez entre humanos e computadores está bastante claro: com cada dia que passa a separação entre nós vai aumentar.

A verdadeira questão é de como o inevitável progresso dos programas de computador irá afetar o jogo humano.

null

Como Yogi Berra (famoso jogador de baseball de ainda mais famosas citações...) corretamente notou, é difícil fazer previsões, especialmente sobre o futuro. De fato, ninguém sabe qual será o aspeto do xadrez de torneio daqui a 10 anos. Eu só quero examinar as tendências óbvias que presenciamos hoje. 

O momento em que tudo mudou na competição de xadrez entre humanos vs. programas de computador aconteceu em 1997 quando o programa Deep Blue bateu o campeão do mundo Garry Kasparov. Nesse momento, mesmo os mais otimistas proponentes da teoria da superioridade humana compreenderam que neste tipo de competição, estamos condenados. Então, em vez do mantra os "humanos são mais inteligentes do que os computadores," nós confortamo-nos uns aos outros com "sim, os computadores jogam mais forte, mas eles não entendem o xadrez, simplesmente calculam melhor!"

De fato, nós temos tido partidas numerosas como prova desta afirmação. Olhemos por exemplo para os três lances que abalaram o mundo do xadrez na primeiríssima partida do confronto Kasparov-Deep Blue:

Três lances aleatórios sem ligação com nenhum plano e fazendo a posição das Pretas mais vulnerável pareceram lances de principiante. E ainda assim eles foram jogados por uma determinada entidade que conseguiu bater o campeão do mundo!

Avancemos rapidamente para o presente. O jogo dos computadores tem-se tornado mais semelhante ao humano (ou talvez nos tenhamos começado a jogar mais como os computadores  ). Hoje em dia a noção da superior compreensão humana desapareceu discretamente. Para te dizer a verdade, por vezes eu tenho a impressão que são os computadores que têm a compreensão superior da posição. 

Caso em questão é uma partida de um super torneio recente:

Quando eu observei a partida, eu esperava que os jogadores concordassem com um empate a qualquer momento, especialmente quando um par de torres foi trocado e a partida atingiu a seguinte posição: 

Agora olha para como a partida acabou:

Enquanto muitos jogadores humanos concordariam de fato com um empate quando as damas foram trocadas, o computador mantém que as Brancas tinham pelo menos meio-peão de vantagem durante o final inteiro! Agora diz-me, quem compreende o xadrez melhor?

null

Se não falarmos do problema dos trapaceiros de computador, então a maior influência dos computadores  no xadrez moderno é de longe nas aberturas. A abundância da Defesa Berlim em eventos de topo não é uma coincidência. É mais fácil analisar as posições com menos peças no tabuleiro e portanto, o final de Berlim tornou-se a arma preferida da maioria dos GM mais cotados.

Os jogadores de xadrez estão trabalhando mais e mais com a ajuda dos seus amigos de silício, essencialmente tentando solucionar o jogo de xadrez. Alguns deles chegam bastante perto! Na sua entrevista recente, o GM Boris Avrukh mencionou um episódio do seu trabalho com o nº 2 do mundo GM Wesley So. Wesley mostrou uma linha de abertura para as Pretas que em 50 lances iria resultar forçadamente num final invulgar de dois cavalos vs. torre e bispo. Quando Avrukh perguntou se Wesley sabia como empatar este final, Wesley mostrou-lhe imediatamente como construir uma fortaleza invencível!

Enquanto este episódio é extremamente impressionante, é também muito triste.

A certa altura algo terá de ser feito para devolver o elemento humano ao jogo de aberturas. Eu não creio que o xadrez Fischer aleatório (Chess960) é a solução, na medida em que as posições iniciais são demasiado diferentes das do xadrez clássico. Imagina só: nós ensinamos as nossas crianças a jogar xadrez mostrando-lhes belos exemplos de partidas de Morphy, Fischer ou Kasparov e depois bruscamente dizemos: lamento garotos, mas agora vocês jogam xadrez Fischer aleatório e estão por vossa conta no meio desta trapalhada!

Os computadores podem até ajudar-nos a resolver este problema. Se tu perguntares a um programa de computador para avaliar a posição inicial, este irá dar-te cerca de um quarto de peão de vantagem para as Brancas. Mas se tu forçares as Brancas a jogar 1.h3, então a avaliação cai para quase exatamente igual! Algo como 1.a3 e6 também resulta numa posição absolutamente igual de acordo com um programa. Portanto, porque é que devemos mudar para Chess960, quando nós podemos encontrar uma dúzia de posições iniciais em xadrez regular que o computador avalia a par e sobre as quais não temos nenhuma teoria de aberturas? 

O nosso corrente campeão do mundo mostra como jogar xadrez clássico sem teoria de aberturas:

Outra tendência que eu antevejo é a dramática mudança na forma como as monografias de abertura são escritas. Correntemente todos os livros de aberturas baseiam as suas avaliações em partidas humanas. Algo como, "esta posição ocorreu na partida do GM X vs. GM Y, Londres, 2015 onde as Brancas tinham uma posição melhor."

Mas pensa no seguinte: a diferença entre o campeão do mundo humano, Magnus Carlsen, e o computador mais forte é de 500 pontos de rating!

null

Para te dar perspectiva, se tu és um jogador de 1800, tu na realidade não estarias interessado em seguir as partidas de jogadores de 1300. Então porque é que as monografias de abertura ignoram praticamente as partidas dos programas de xadrez mais cotados e concentram-se na maioria nas partidas de jogadores mais fracos? Em 10 anos mais ou menos, as monografias de abertura vão mudar completamente para partidas e análises de computador, na minha opinião. Estas irão provavelmente mencionar partidas humanas somente para demonstrar erros típicos a evitar.

Finalmente, eu espero uma mudança importante nas tendências de abertura. Recorda-te, a loucura com a Berlim moderna começou depois de Vladimir Kramnik bater Garry Kasparov no confronto do campeonato do mundo em Londres, 2000. Nesse confronto o 'Muro de Berlim' foi a arma secreta que o ajudou a vencer o título mundial. Kramnik merece os maiores elogios na medida em que ele conseguiu reavaliar a Berlim.

É somente uma questão de tempo até alguns dos GM de topo escutem o seu programa de computador e descobrem que, digamos 3...Nd4 no Ruy Lopez é de fato tão bom como 3...Nf6, mas resulta em posições mais vigorosas. E então, ele segue as recomendações do seu computador e bate Magnus Carlsen, o que consequentemente irá fazer com que as pessoas fiquem loucas por 3...Nd4.

Sim, eu imaginei completamente a variante 3...Nd4 como sendo a próxima moda em xadrez no Ruy Lopez, mas pode ser qualquer lance na verdade!

No entanto, os programas de computador dão às Brancas aproximadamente a mesma vantagem depois de 3...Nd4 como as linhas principais da Berlim, portanto porque não...especialmente desde que nós já sabemos que os computadores entendem o xadrez melhor que humanos!

Online Agora