Kramnik E AlphaZero: Como Repensar o Xadrez
O lendário campeão mundial de xadrez, Vladimir Kramnik, escreve sobre uma maneira emocionante de tornar o xadrez mais interessante.

Kramnik E AlphaZero: Como Repensar o Xadrez‎

VladimirKramnik
GM VladimirKramnik
|
629 | Teoria de Aberturas

Para que o xadrez prospere, precisamos de um novo desafio.

A força crescente das engines de xadrez, as milhões de partidas entre computadores e os volumes de teorias de aberturas disponíveis para todos os jogadores estão deixando o xadrez de alto nível com pouco espaço para a imaginação. As partidas decisivas nos super-torneios caíram, como o número de partidas com o que eu chamaria de conteúdo "criativo”.

O match do campeonato mundial de 2018 entre Magnus Carlsen e Fabiano Caruana, por exemplo, terminou com zero partidas clássicas decisivas. (Carlsen defendeu seu título mundial ao vencer o desempate de partidas rápidas).

A culpa não é dos jogadores, mas da realidade que eles enfrentam. Seria estranho esperar que eles diminuam deliberadamente suas chances de obter um resultado positivo, assumindo riscos pouco razoáveis para jogar partidas mais "divertidas". Pela minha própria experiência, sei o quão difícil se tornou forçar uma luta complexa e interessante se o seu oponente quiser jogar seguro. Assim que um lado escolhe uma linha de jogo relativamente estéril, o oponente é forçado a seguir o exemplo, levando a uma partida pouco original e a um resultado inevitável.

É claro que ainda existem algumas partidas fascinantes de alto nível, mas para manter o xadrez vivo, acredito que devemos reverter essa tendência antes que o espírito do jogo desapareça.

Trabalhando com DeepMind:

Então comecei a pensar que, se o resultado for sempre o mesmo, talvez haja algo que possamos fazer para revigorar o jogo. Conversei com Demis Hassabis, fundador e CEO do laboratório de inteligência artificial DeepMind. Hassabis já foi um dos mais fortes jogadores juniores de xadrez do Reino Unido e ainda é um aficionado por xadrez. Tive a oportunidade de testar minha teoria com a famosa engine de xadrez de aprendizado automático AlphaZero.

Trabalhando com os pesquisadores do DeepMind, Ulrich Paquet e Nenad Tomasev, usamos o AlphaZero como uma placa de Petri para testar diferentes variações e ver como o jogo pode se desenrolar. Por fim, nossa missão era encontrar um ajuste nas regras para permitir mais espaço para a criatividade humana.

Ajustar as regras do xadrez não é uma idéia nova. Uma das variantes mais utilizadas é o Fischer Random, também conhecido como Xadrez960. O recente Campeonato Mundial de Xadrez Fischer Random chamou bastante a atenção e resultou no triunfo de Wesley So sobre Carlsen nas finais.

Wesley So wins the Fischer Random World Championship over Magnus Carlsen. Photo: Lennart Ootes / Chess.com.
Wesley So vence o Campeonato Mundial de Xadrez Fischer Random contra Magnus Carlsen. Foto: Lennart Ootes / Chess.com.

O Fischer Random é um formato interessante, mas tem seus inconvenientes. Em particular, as posições iniciais não tradicionais tornam difícil para muitos amadores desfrutar o jogo até que posições mais familiares sejam alcançadas. O mesmo vale para jogadores de alto nível, como muitos me confessaram em particular. Finalmente, também parece faltar uma qualidade estética encontrada no xadrez tradicional, o que o torna menos atraente para jogadores e espectadores, mesmo que ocasionalmente resulte em um jogo emocionante.

Xadrez sem roque:

Meu objetivo era encontrar uma variante do xadrez que não apenas tivesse o potencial de trazer a emoção e as vitórias decisivas de volta ao xadrez, mas também fosse esteticamente agradável. O objetivo era reacender o interesse e apresentar aos jogadores e ao público a imensa complexidade e criatividade do jogo de xadrez original.

Para começar, incumbimos o AlphaZero de explorar uma variante que impedia os dois lados de fazer o roque, tentando diferentes lances de abertura de ambos os lados. O resultado foi além das nossas expectativas!

Deixamos o AlphaZero aprender a jogar "xadrez sem roque" do zero, permitindo que o programa aprendesse gradualmente como dominar o jogo através de um processo de tentativa e erro, semelhante à maneira como aprendeu a jogar xadrez clássico. Depois de jogar milhões de partidas, o AlphaZero se tornou um especialista em xadrez sem roque, permitindo analisar como ele joga e avaliar o equilíbrio geral do jogo.

As porcentagens de vitória/perda para Brancas e Negras são semelhantes ao xadrez clássico, sugerindo que a variante sem roque deve ser bastante jogável sem favorecer um jogador em particular. Evitar que o rei se retire para uma distância segura significa que todas as peças precisam se envolver no combate corpo a corpo, tornando a partida mais dinâmica e divertida, com vários padrões originais.

Duas partidas de xadrez sem roque do AlphaZero com comentários de Kramnik.

As vantagens não param por aí. A restrição de roque significa que os jogadores não podem confiar em padrões memorizados; eles são forçados a pensar criativamente desde o início. Mesmo se um jogador quiser forçar um empate, é quase impossível controlar tudo. Além disso, essa variante torna praticamente impossível jogar seguro, mesmo de Brancas, porque é muito mais difícil encontrar um lugar completamente seguro para o rei.

Por fim, também iguala o nível, para que jogadores amadores tenham uma chance melhor de jogar contra adversários mais experientes, que frequentemente memorizam a teoria da abertura.

Velhos limites, nova criatividade:

Um torneio usando essa variante definitivamente verá um aumento significativo no número de partidas decisivas - muito além de 50%, eu acho - juntamente com uma explosão de idéias criativas e inesperadas.

Ainda há muitos detalhes para investigar. Por exemplo, as aberturas parecem ser mais complicadas nas partidas sem roque do AlphaZero, o que significa que uma nova teoria de abertura deve ser desenvolvida e os jogadores precisarão explorar novas abordagens para a segurança do rei. Mas nada disso deve impedir a comunidade de xadrez de experimentar este jogo.

Eu recomendo muito que os organizadores dos próximos torneios e amantes do xadrez em todo o mundo experimentem essa variante.

O xadrez sem roque tem potencial para reiniciar o relógio, tornando a criatividade e a profundidade do pensamento mais importantes do que apenas memorizar padrões e passar o tempo de preparação pressionando a barra de espaço para ver o próximo lance da engine. Ao ajustar nossos limites, podemos aproveitar uma nova geração de jogadores, idéias originais e um futuro de xadrez emocionante, decisivo e criativo.

Você jogaria xadrez sem roque? Diga o que achou nos comentários.

Mais sobre Vladimir Kramnik:

Mais sobre AlphaZero: