Por que Deus permite o sofrimento?

EETech
EETech
Jul 20, 2012, 1:55 PM |
0

ÀS VEZES, quando uma pessoa pergunta “por quê?”, ela não está somente em busca de respostas, mas também de consolo, pois talvez tenha sofrido uma grande perda. A Bíblia fornece esse consolo? Considere três importantes verdades bíblicas relacionadas a esse assunto.

Cidade inundadaCriança subnutridaSoldados marchando através da água

Você está contente com os resultados obtidos pelos governos humanos?

Primeiro, não é errado perguntar por que Deus permite o sofrimento. Alguns têm receio de fazer uma pergunta dessas porque acham que isso significa falta de fé em Deus ou falta de respeito por ele. Isso não é verdade. Se você faz essa pergunta com sinceridade, não é o único. O fiel profeta Habacuque perguntou a Deus: “Por que me fazes ver tanta maldade? Por que toleras a injustiça? Estou cercado de destruição e violência; há brigas e lutas por toda parte.” (Habacuque 1:3, Bíblia na Linguagem de Hoje) Jeová Deus não repreendeu Habacuque por ter dito essas palavras. Em vez disso, fez com que as perguntas desse homem fiel fossem registradas para que todos nós as lêssemos. — Romanos 15:4.

Segundo, é importante saber que Deus sente compaixão quando você passa por uma situação difícil. Ele não é indiferente e misterioso; ele “ama a justiça” e detesta a maldade e o sofrimento que essa causa. (Salmo 37:28; Provérbios 6:16-19) Nos dias de Noé, Deus sentiu-se “magoado no coração” porque a violência se espalhava pela Terra. (Gênesis 6:5, 6) Deus não mudou; seus sentimentos em relação ao que acontece atualmente são os mesmos. — Malaquias 3:6.

Terceiro, Deus nunca é a causa da maldade. A Bíblia deixa isso muito claro. Aqueles que atribuem a Deus a culpa por coisas tais como assassinatos e terrorismo estão difamando a ele. Veja o que Jó 34:10 diz: “Longe está do verdadeiro Deus agir ele iniquamente, e do Todo-poderoso agir injustamente!” De forma similar, Tiago 1:13 diz: “Quando posto à prova, ninguém diga: ‘Estou sendo provado por Deus.’ Pois, por coisas más, Deus não pode ser provado, nem prova ele a alguém.” Assim, se você tem passado por provações, esteja certo de que Deus não é o culpado disso.

Quem governa o mundo?

O que acabamos de considerar ainda não responde à pergunta: Se Deus é amoroso, justo e poderoso, por que estamos cercados pela maldade? Primeiro, é preciso corrigir um conceito errado. Muitos acham que o Deus Todo-Poderoso é o governante do mundo, aquele que tem o controle direto sobre tudo. “Nem um único átomo ou molécula do Universo está fora do Seu controle”, disse o presidente de um seminário teológico. A Bíblia realmente ensina isso?

De modo algum. Muitos se surpreendem ao descobrir o que a Bíblia realmente diz sobre quem governa o mundo. Por exemplo, 1 João 5:19 declara: “O mundo inteiro jaz no poder do iníquo.” Quem é esse iníquo? Jesus Cristo identificou-o como Satanás, o Diabo, a quem ele chamou de “o governante do mundo”. (João 14:30) E isso não faz sentido? Afinal, Satanás é cruel, engana as pessoas e está cheio de ódio — características que muitas vezes estão por trás do sofrimento que as pessoas passam. Então, por que Deus permite que Satanás governe?

Uma questão levantada no Éden

Se um pai amoroso e competente fosse publicamente acusado de mentir aos seus filhos, de abusar de sua autoridade sobre eles e de privá-los do que é bom, como ele se sentiria? Será que conseguiria desmentir essas acusações difamatórias agredindo fisicamente quem o acusou? Claro que não! Na verdade, se reagisse dessa maneira, poderia dar credibilidade às acusações.

Essa ilustração ajuda a explicar o modo como Jeová Deus lidou com o desafio levantado contra ele no início da história humana num lugar chamado Éden. Foi ali que Deus anunciou aos primeiros dois humanos, Adão e Eva, o seu maravilhoso projeto para seus filhos terrestres. Eles deveriam encher a Terra, sujeitá-la e transformá-la num paraíso global. (Gênesis 1:28) Além disso, centenas de milhões de filhos espirituais de Deus estavam profundamente interessados nesse projeto emocionante. — Jó 38:47; Daniel 7:10.

Como Deus amoroso que é, Jeová deu a Adão e Eva um belo lar ajardinado, com todos os seus frutos deliciosos. Só havia uma árvore em que eles não deviam tocar — ‘a árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau’. Por não comerem o fruto dessa árvore, Adão e Eva demonstrariam sua confiança total no seu Pai, reconhecendo que ele tinha o direito de decidir o que era bom e o que era mau para seus filhos. — Gênesis 2:16, 17.

Lamentavelmente, porém, um dos filhos espirituais de Deus, motivado pelo desejo de ser adorado, disse a Eva que, se ela comesse do fruto proibido, não morreria. (Gênesis 2:17; 3:1-5) Assim, esse anjo iníquo, Satanás, de modo descarado, contradisse Deus, chamando-o basicamente de mentiroso! Satanás também acusou Deus de não revelar a Adão e Eva conhecimento vital. Satanás deu a entender que os humanos deveriam poder decidir por si mesmos o que é bom e o que é mau. Em termos simples, acusou Deus de ser um mau Governante e Pai, insinuando que ele, Satanás, faria um trabalho melhor.

Por meio dessas mentiras ardilosas e maldosas, esse anjo fez de si mesmo Satanás, o Diabo. Esses nomes significam “Opositor” e “Caluniador”. O que Adão e Eva fizeram? Eles tomaram o lado de Satanás, virando as costas a Deus. — Gênesis 3:6.

Jeová poderia ter destruído os rebeldes naquele mesmo instante. Mas, conforme mencionado na ilustração, assuntos dessa natureza não podem ser resolvidos por revidar com violência. Lembre-se também de que, quando Satanás desafiou Deus, milhões de anjos estavam escutando suas palavras. De fato, embora não saibamos quantos, um número significativo deles mais tarde se juntou a Satanás na sua rebelião, tornando-se demônios. — Marcos 1:34; 2 Pedro 2:4; Judas 6.

Por que Deus ainda não interveio?

Induzindo Adão e Eva a escolher ser independentes de seu Criador, na verdade Satanás deu origem a uma família que não era independente, mas estava sob a sua autoridade. Sabendo ou não que estavam sendo influenciados por seu “pai”, o Diabo, os membros dessa família passariam a escolher seus próprios objetivos e padrões de conduta. (João 8:44) Mas será que esse modo de vida lhes proporcionaria verdadeira liberdade e felicidade duradoura? Jeová sabia muito bem que isso não aconteceria. Ainda assim, permitiu que os rebeldes seguissem seu rumo de independência, pois só assim as questões levantadas no Éden seriam resolvidas definitivamente.

Por mais de 6 mil anos a humanidade tem construído um sistema mundial, tentando todos os tipos de governo e códigos de conduta. Você está contente com os resultados? A família humana está realmente feliz, unida e em paz? É claro que a resposta é não! Em vez disso, ela é assolada por guerras, fomes, desastres naturais, doenças e morte, que causam “futilidade”, “dores” e ‘gemidos’, exatamente como a Bíblia diz. — Romanos 8:19-22; Eclesiastes 8:9.

Ainda assim, alguns talvez perguntem: ‘Por que Deus não impede que as tragédias aconteçam?’ Na verdade, isso seria injusto, e faria com que a questão ficasse ainda mais confusa, por dar a impressão de que se rebelar contra Deus não traz conseqüências. Por isso, Jeová não fica nos bastidores impedindo todos os crimes e tragédias que resultam, direta ou indiretamente, da desobediência a ele.* Jeová jamais faria algo para apoiar a mentira nociva de que o sistema de Satanás pode ser bem-sucedido, ou seja, que encontrou a chave para a felicidade. No entanto, Jeová não fica indiferente aos acontecimentos. Na verdade, ele tem estado bem ativo, conforme veremos em seguida.

“Meu Pai tem estado trabalhando”

Essas palavras de Jesus mostram que Deus não ficou parado, simplesmente observando o desenrolar dos acontecimentos. (João 5:17) Pelo contrário, desde a rebelião no Éden, ele está muito ocupado. Por exemplo, inspirou escritores bíblicos a registrar a sua promessa de que um futuro “descendente” esmagaria Satanás e todos os que permanecessem leais a ele. (Gênesis 3:15) Além disso, por meio desse Descendente, Deus formaria um governo, um Reino celestial, que abençoaria humanos obedientes e acabaria com todas as causas do sofrimento, incluindo a própria morte. — Gênesis 22:18; Salmo 46:9; 72:16; Isaías 25:8; 33:24; Daniel 7:13, 14.

Com o objetivo de cumprir essas promessas maravilhosas, Jeová enviou à Terra Aquele que se tornaria o Governante primário desse Reino. Trata-se do próprio Jesus Cristo, o Filho de Deus. (Gálatas 3:16) Jesus focalizou o seu ensino no Reino de Deus, conforme Jeová havia determinado. (Lucas 4:43) De fato, Jesus deu uma amostra vívida do que realizará como Rei desse Reino. Alimentou milhares de famintos, curou doentes, ressuscitou mortos e até mesmo mostrou seu poder sobre os elementos da natureza quando acalmou uma violenta tempestade. (Mateus 14:14-21; Marcos 4:37-39; João 11:43, 44) Falando sobre Jesus, a Bíblia declara: “Não importa quantas sejam as promessas de Deus, elas se tornam Sim por meio dele.” — 2 Coríntios 1:20.

Aqueles que escutam Jesus e saem “do mundo” — o sistema mundial apartado de Deus e governado por Satanás — são acolhidos na família de Jeová. (João 15:19) Essa família global de verdadeiros cristãos é governada pelo amor, dedicada à paz e conhecida pela determinação de eliminar qualquer vestígio de intolerância e racismo de seu meio. — Malaquias 3:17, 18; João 13:34, 35.

Em vez de apoiar o mundo atual, os cristãos verdadeiros apóiam e divulgam o Reino de Deus em obediência à ordem de Jesus registrada em Mateus 24:14. Pense no seguinte: Quem prega as “boas novas do reino” em todo o mundo? Quem, como família espiritual no mundo inteiro, se nega a participar em guerras e em disputas nacionalistas e tribais que causam divisão? E quem permite que a Palavra de Deus guie sua conduta, mesmo que seus elevados padrões não sejam aceitos pela maioria? (1 João 5:3) Muitos observam essas características nas Testemunhas de Jeová. Por que não examina as provas por si mesmo?

Escolha ser governado por Deus!

A humanidade, apartada de Deus e desencaminhada por Satanás, criou um sistema mundial em que há cada vez mais sofrimento e desespero. Até mesmo a Terra está sendo arruinada! Jeová, porém, estabeleceu um governo celestial que mudou a vida de milhões de pessoas para melhor e deu a cada uma delas uma esperança segura. (1 Timóteo 4:10) Qual desses governos você escolherá?

Agora é o tempo para tomar essa decisão, pois Deus não permitirá que Satanás e o seu mundo iníquo continuem a existir indefinidamente. O propósito original de Deus, de transformar a Terra num paraíso, nunca mudou. Para isso acontecer, o Reino de Deus e aqueles que o apóiam ficarão cada vez mais fortes, ao passo que o mundo sob o controle de Satanás passará por crescentes “dores de aflição” até o dia em que Deus acabar com ele. (Mateus 24:37, 8) Por isso, se você já perguntou sinceramente a Deus “por quê?”, escute o que ele diz, levando a sério a mensagem bíblica de consolo e esperança. Mesmo agora, suas lágrimas de tristeza podem transformar-se em lágrimas de alegria. — Mateus 5:4; Revelação (Apocalipse) 21:3, 4.


*  Embora Deus tenha ocasionalmente interferido nos assuntos humanos, não foi com a intenção de apoiar este sistema atual. Pelo contrário, essas intervenções se relacionavam com a realização do seu propósito. — Lucas 17:26-30; Romanos 9:17-24.

 

Deus realmente se importa!

Família feliz depois da ressurreição

Jesus restaurará o Paraíso, até mesmo ressuscitando os mortos

A MANEIRA como Deus lidou com a rebelião que começou no Éden mostra seu profundo amor para com cada um de nós bem como sua preocupação com o nosso futuro. Queira considerar as seguintes provas de que Deus realmente se importa conosco, e leia na sua Bíblia os textos citados.

  • Ele criou a Terra repleta de beleza natural, vida animal fascinante e um solo produtivo. — Atos 14:17; Romanos 1:20.
  • Ele nos deu um corpo maravilhoso que nos permite desfrutar das coisas do dia a dia, tais como sentir o gosto de comida saborosa, contemplar o pôr-do-sol, ouvir o riso de uma criança e sentir o toque terno de alguém que amamos. — Salmo 139:14.
  • Ele fornece orientação sábia que nos ajuda a lidar com problemas e com pressões. — Salmo 19:7, 8; 119:105; Isaías 48:17, 18.
  • Ele nos dá uma maravilhosa esperança que inclui a perspectiva de viver num paraíso na Terra e de ver a ressurreição de pessoas queridas que faleceram. — Lucas 23:43; João 5:28, 29.
  • Ele enviou seu Filho unigênito para morrer por nós a fim de que tivéssemos a esperança de vida eterna. — João 3:16.
  • Ele estabeleceu o Reino messiânico no céu e deu-nos provas em abundância de que o Reino, em breve, assumirá o domínio total da Terra. — Isaías 9:6, 7; Mateus 24:3, 47; Revelação (Apocalipse) 11:15; 12:10.
  • Deus nos incentiva a orar a ele e a abrir o nosso coração. Quando fazemos isso, ele realmente nos escuta. — Salmo 62:8; 1 João 5:14, 15.
  • Ele sempre reafirma aos humanos seu profundo amor e sua preocupação por eles. — 1 João 4:9, 10, 19.