Notícias
Notícias
Entrevista com Ivan Sokolov: capitão e treinador da equipe de ouro do Uzbequistão
Ivan Sokolov assistindo à partida crucial Gukesh-Abdusattorov. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Entrevista com Ivan Sokolov: capitão e treinador da equipe de ouro do Uzbequistão

PeterDoggers
| 0 | Jogadores de Xadrez

O GM Ivan Sokolov, ex-jogador de alto nível, agora treina a equipe do Uzbequistão, que ganhou a medalha de ouro nas Olimpíadas de Chennai, na Índia. Numa entrevista concedida ao Chess.com, o grande mestre holandês-bósnio revela como é trabalhar com prodígios, com os quais ele também pode aprender algo sobre xadrez.

Sokolov, de 54 anos, dispensa apresentações para nossos leitores mais velhos que o viram ser o centro das atenções nos anos 1990 e início dos anos 2000. Ele esteve consistentemente no top 30 ao longo dessas duas décadas e ocupou o 12º lugar no ranking mundial três vezes. Talvez ele seja um dos grandes mestres de maior sucesso que nunca chegou ao top 10. Além de inúmeros sucessos em torneios importantes (por exemplo, Hoogeveen, Selfoss, Sarajevo), ele derrotou cinco campeões mundiais em partidas clássicas: os GMs Garry Kasparov, Vladimir Kramnik, Viswanathan Anand, Veselin Topalov e um jovem Magnus Carlsen.

Nascido e criado na Bósnia (mais tarde Iugoslávia, agora parte da Bósnia-Herzegovina), ele foi um dos milhões que deixaram ou fugiram do país durante as guerras iugoslavas da década de 1990. Em 1992, ele se estabeleceu na Holanda, que era um país muito mais amante do xadrez do que hoje, quando tinha cinco ou seis torneios anuais de grandes mestres. A cidadania holandesa facilitou para Sokolov viajar para torneios no exterior.

Agora divorciado e pai de dois filhos na casa dos 20 anos, Sokolov vive em Amsterdã. Ele ganha a vida como treinador de xadrez desde 2008. Inicialmente, ele trabalhou com grandes talentos da ex-Iugoslávia. (Os GMs Ivan Saric e Marin Bosiocic, da Croácia, bem como o GM Borki Predojevic, da Bósnia), depois com o GM Baskaran Adhiban, da Índia, e o GM Salem Saleh, dos Emirados Árabes Unidos.

Ivan Sokolov playing
Ivan Sokolov jogando no Campeonato Europeu por Equipes em 2017. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

A decisão de deixar de lado sua própria carreira no xadrez para começar a trabalhar em tempo integral como treinador nos Emirados Árabes Unidos nasceu de uma grande anedota em 2013.

"No início de 2013, eu ainda tinha um rating bom [2663] e joguei no Tata Steel, onde meu resultado foi muito pior do que as posições que estava conquistando. Minha preparação foi muito boa, alguns meses depois ganhei uma série de partidas na liga francesa com base na minha preparação para Wijk aan Zee. Foi um ano de altos e baixos, e em algum momento de junho recebi uma oferta da Federação de Xadrez dos Emirados Árabes Unidos para trabalhar para eles, pois eles estavam procurando alguém que pudesse tornar Salem um jogador melhor. Naquela época, ele tinha em torno de 2550-2560 de rating, um jovem e talentoso grande mestre, mas eles queriam alguém para ajudá-lo a chegar ao próximo nível. Eu não tinha certeza se queria me mudar para Dubai para um trabalho em tempo integral, com um salário fixo, obviamente, mas já não sendo o dono do meu próprio tempo, o que considero uma das maiores vantagens de ser um jogador de xadrez.

"Então, no final de agosto, participei do Aberto de Viena, um grande torneio com 600 jogadores. Dei uma simultânea como convidado principal do evento, mas em algum lugar no meio do torneio, perdi uma partida contra um jovem jogador talentoso da Turquia, com 2400 de rating [Batuhan Dastan, agora GM]. Terminei o torneio com 6,5/9, o que foi bom o suficiente para terminar em 16º-30º, e meu prêmio em dinheiro era, eu acho, cerca de cem euros.

"Fui ao aeroporto para voltar a Amsterdã e me disseram: 'Seu voo está lotado. Gostaria de esperar 2 horas pelo próximo voo? Se você concordar, pagaremos 250 euros'. Eu concordei, mas então pensei: espere, há algo errado aqui. Nos últimos 10 dias joguei um torneio e ganhei 100 euros, agora tenho que esperar 2 horas pelo próximo voo e vou ganhar 250 euros por isso. Algo está errado aqui. Então peguei o dinheiro, pedi uma garrafa de vinho e analisei a situação. Depois liguei para Dubai e perguntei se a proposta deles ainda estava de pé."

Então peguei o dinheiro, pedi uma garrafa de vinho e analisei a situação.

Ivan Sokolov coach Uzbekistan
Sokolov como treinador do Uzbequistão em Chennai. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Até hoje, Sokolov não se arrepende de sua decisão. As coisas correram bem e os seus resultados como treinador falam por si, culminando com o ouro olímpico em Chennai.

Ele trabalhou nos Emirados Árabes Unidos até o verão de 2016, treinando principalmente Salem, que logo se tornou campeão asiático. Durante as Olimpíadas de 2014, em Tromso, ele também foi o treinador da equipe dos Emirados Árabes Unidos e foi a sua primeira Olimpíada nesse papel. Anteriormente, como jogador, ele participou de quase todas as Olimpíadas entre 1988 e 2012 (exceto nas Olimpíadas de Dresden em 2008), representando a Iugoslávia, Bósnia-Herzegovina e Holanda.

Seu trabalho com Firouzja

Cerca de um mês e meio antes da Olimpíada de 2016 em Baku, Sokolov deixou o emprego em Dubai e começou a treinar a equipe iraniana - cargo que ocupou até o Campeonato Mundial por Equipes de 2019. Ao contrário de sua experiência nos Emirados Árabes, ele não se mudou para o Irã, mas ia para lá várias vezes por ano para sessões de treinamento que duravam algumas semanas.

O Irã então terminou empatado em um magnífico 11º lugar em Baku, ao lado das potências do xadrez Azerbaijão e China. Dois anos depois, a jovem equipe terminou empatada em 15º lugar, um resultado muito louvável, logo após vencer a Copa das Nações Asiáticas de 2018 à frente da Índia e da China. Entre os membros da equipe, estava o GM Alireza Firouzja, que mais tarde se mudaria para a França e se tornaria o jogador mais jovem da história a ultrapassar a barreira dos 2800 de rating.

Sokolov: "Quando cheguei ao Irã em 2016, um mês antes da Olimpíada, o país tinha apenas um grande mestre: Ehsan Ghaem Maghami. Eu também tinha disponível Parham Maghsoodloo, Amin Tabatabaei e Firouzja, todos muito jovens, com um rating de cerca de 2400 na época. Eu vi que eles tinham um grande potencial, mas é sempre difícil saber o quanto.

"O que notei em Firouzja desde o início, e isso o tornou um pouco diferente, foi que ele era extremamente dedicado.

Alireza Firouzja Iran chess
Alireza Firouzja em Riga em 2021. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

O que notei em Firouzja desde o início, e isso o tornou um pouco diferente, foi que ele era extremamente dedicado.

"Trabalhávamos algo como das 10h às 13h, tínhamos um intervalo de 2 horas e meia e depois voltávamos a trabalhar das 15h30 às 18h30. Estávamos todos hospedados em um hotel que ficava perto do prédio da Federação Iraniana de Xadrez.

"Normalmente, o que acontecia é que eu trabalhava, fazia uma pausa, fazia uma longa caminhada no parque, almoçava, respondia meus e-mails particulares e voltava ao trabalho. Normalmente, quando eu voltava para a segunda parte do dia, Alireza já tinha algumas novidades e ideias baseadas no que tínhamos visto pela manhã. Era o mesmo à noite, alguns dos meninos começavam a conversar ou jogar videogame, e ele aparecia de manhã com novas ideias e sempre tinha algo a dizer sobre as atividades da tarde do dia anterior. Então ele trabalhava cerca de 10 horas por dia."

Trabalhando com computadores

Especialmente para um grande mestre como Sokolov, que treinou do jeito clássico, cujo livro Winning Chess Middlegames de 2008 segue a mesma tradição, trabalhar com a nova geração de jogadores que tendem a usar o computador mais do que qualquer outra coisa é um prazer e um desafio.

"O que enfrentei, não apenas com Alireza, mas também com outros jovens jogadores com quem trabalhei, é que, por exemplo, eles chegam com uma proposta muito pouco convencional para posições conhecidas - não convencional baseada em conhecimentos antigos. Eu costumava dizer que, se funcionar, devo citar meu amigo GM Jan Timman, que repetia: 'Se funcionar, preciso aprender xadrez novamente!' Mas aí eu recebia um comentário do tipo: 'Sim, mas o computador adora esse lance.' Então fazíamos algumas análises, e às vezes se descobria que o computador estava errado, no sentido de que a avaliação só funciona se os computadores estiverem jogando. Para humanos, a avaliação pode ser diferente."

Quando solicitado a nos dar um exemplo, Sokolov descreveu a seguinte estrutura de peões que pode surgir de muitas aberturas, como Escandinava, Caro-Kann, Francesa, Eslava, etc.

"O plano comum é que ou você avança b2-b4-b5 ou tenta fazer a quebra de peão com d4-d5 porque, por definição, as Brancas têm a vantagem do par de bispos nesses tipos de posições. O bispo de c8 saiu para algum lugar e foi trocado por um cavalo.

"Uma das novas ideias era não tocar em nada no centro, tentar consolidar sua posição e garantir que não haja uma quebra fácil, e simplesmente começar a avançar com g2-g4-g5 e h2-h4-h5 e ter esse tipo de ataque. Isso não é conhecido nos livros clássicos como um plano comum em tal posição, mas acontece que pode funcionar facilmente."

Outro exemplo é um plano não convencional para as Brancas na variante Mar del Plata da Defesa Índia do Rei: jogar Rg1-h1, Tf1-g1 e g2-g3. Em outras palavras, vai contra o velho ditado: Não jogue na ala onde você está mais fraco. Deve-se dizer que esse plano não é completamente novo (o GM Alex Yermolinsky o jogou em 1997!), mas chamou a atenção de jogadores fortes, pois as engines pareciam gostar dele.

"Você teria sido considerado completamente louco com base em livros antigos", disse Sokolov. "No meu caso, foi Tabatabaei quem veio até mim e disse: 'Sabe, meu computador tem essa ideia e não consigo ver nada de errado com isso'. No começo, eu disse: 'Não, isso não faz sentido nenhum.' Mas então começamos a olhar e percebi que o computador estava certo. Faz muito sentido."

Sokolov tem um método concreto que ajuda os jogadores a aprender com os computadores: em vez de escolher as linhas principais dadas pela engine, o jogador deve sempre selecionar o lance que ele próprio jogaria, ou esperaria que seu oponente jogasse na posição. Pode até ser a quinta escolha do computador, mas analisar por que uma determinada escolha não está funcionando é muito instrutivo. "É um processo para mim e, obviamente, trabalhar com esses jogadores me ajudou a entender como a IA funciona e com que frequência ela pode colocá-lo no caminho errado: que você acredita demais nas avaliações, enquanto na prática é um pouco diferente."

Sokolov esclareceu: "Você pode ter duas abordagens. A primeira é que nos concentramos em avaliar a posição com base no conhecimento geral, ou seja, levamos em conta a estrutura de peões, espaço, par de bispos, segurança do rei, possíveis quebras de peões, possíveis trocas de peças, e posso conseguir um final melhor ou pior, e uma vez que você terminar com tudo isso, você calcula para tentar encontrar o melhor lance e tentar justificar seu julgamento. Mas é claro que também pode ir na direção oposta: você calcula e com base nas variantes que encontra, tenta chegar a uma avaliação da posição.

"Acredito que pertenço à primeira escola de pensamento, e ainda acredito que esta forma é mais justificada, e torna mais fácil para você no jogo prático lidar com a posição. Mas o elemento direto tornou-se muito mais importante do que nunca, e podemos agradecer aos computadores por isso."

Treinador do Uzbequistão

Durante o Sharjah Masters, em maio deste ano (onde Sokolov era comentarista e onde muitos jogadores uzbeques jogavam), ele foi contatado pela Federação de Xadrez do Uzbequistão para treinar a equipe nacional. Depois de mudar seu plano de trabalhar como comentarista em Chennai, ele aceitou e voou para Tashkent, no Uzbequistão, no final de junho, onde conheceu os membros da equipe que já haviam sido selecionados para a Olimpíada: os GMs Nodirbek Yakubboev (20), Javokhir Sindarov (16), Jakhongir Vakhidov (27) e Shamsiddin Vokhidov (20). O GM Nodirbek Abdusattorov (17), primeiro tabuleiro, ainda não estava lá porque estava jogando no Festival de Biel.

Uzbekistan chess team
A equipe do Uzbequistão: da esquerda para a direita, Sokolov, Abdusattorov, Yakubboev, Vakhidov e Sindarov. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

Então, como ele começou a trabalhar?

"Eu verifiquei as partidas deles dos últimos 12 meses e não olhei muito para as aberturas. Eu estava tentando entendê-los mais como jogadores, como eles funcionam", disse Sokolov. "Você precisa entender como seus cérebros funcionam para que você possa ajudá-los a fazer as escolhas certas. Você também tem que descobrir que tipos de posições funcionam para eles, quais são as 'lacunas' que eles têm e se eles podem facilmente contorná-las para evitar acabar em posições que não gostam".

"Eu disse desde o início, mesmo antes de assumir o cargo: 'Não espere que eu abra o Stockfish e o coloque na profundidade 50. Eu não vou fazer isso. Mas posso ajudá-los a se tornarem um jogador melhor, fazer escolhas certas e talvez apontar algo que vocês ainda precisem trabalhar.'"

Sokolov, portanto, deu aos jogadores muitas posições no meio-jogo, vindas de aberturas específicas ou tipos específicos de posições, bem como posições em que ele se concentrava no processo de tomada de decisão. Ele disse que seu banco de dados de posições já foi renovado em cerca de 70% desde o tempo em que trabalhou com a equipe iraniana.

"É isso que você tem que fazer como treinador para ficar por dentro das coisas: continuar atualizando seu banco de dados para entender os desenvolvimentos no meio-jogo e também novas ideias de abertura, porque seus jogadores serão confrontados com isso na frente do tabuleiro. Você tem que tentar entender tudo, você tem que ter uma opinião e você tem que saber disso. Você não pode dizer a um jogador: 'Não sei nada sobre isso'. É diferente de quando eu era um jogador, onde como jogador de 1.d4 e 1...e5, eu não podia me importar menos com o que estava acontecendo na Najdorf ou na variante Winawer da Defesa Francesa. Eu não me importava. Agora, não posso me dar ao luxo."

Sokolov resumiu os diferentes estilos de jogo dos medalhistas de ouro da seguinte forma:

Abdusattorov: "Semelhante ao Magnus."
Yakubboev: "Um jogador mais completo."
Sindarov: "Um tático puro."
Vakhidov: "Um excelente teórico."
Vokhidov: "Predominantemente um estrategista."

"No meu caso, entender como trabalhar com eles me ajudou também durante a Olimpíada a fazer as escolhas certas de abertura", disse Sokolov. "Mas nem sempre era tão simples, por exemplo, fiquei muito insatisfeito quando vi aquela posição da Índia do Rei que Sindarov conseguiu contra o GM Praggnanandhaa R em nosso match contra a Índia-2.

"A linha jogada por Praggnanandhaa foi uma ótima escolha contra Sindarov. Ele trocou os peões em e5 e eles conseguiram essa posição relativamente simétrica onde as Brancas têm uma vantagem muito pequena, o que pode não ser muito ambicioso, mas para um jogador tático como Sindarov, era difícil administrar esse tipo de posição, enquanto um jogador técnico como Praggnanandhaa, provavelmente se sentiu muito confortável. A partida confirmou isso: as Negras tentaram resolver a situação taticamente, o que acabou não funcionando. Este é apenas um exemplo de escolhas: a vantagem das Brancas era mínima, mas a posição no tabuleiro era muito melhor para ele."

Praggnanandhaa vs Sindarov Chennai Olympiad
Sokolov confortando Sindarov depois que ele perdeu para Praggnanandhaa. Foto: Lennart Ootes/FIDE.

No futebol ou em outros esportes, há uma discussão constante sobre o quanto um treinador é responsável pelos resultados da equipe. Como Sokolov vê seu papel no sucesso do Uzbequistão?

"Vamos colocar desta forma. Eu acho que como treinador você pode ajudar melhor os jogadores se você já esteve nessa situação. Eu não ganhei o ouro olímpico, mas ganhei a prata [atrás da Rússia, jogando no segundo tabuleiro pela Bósnia-Herzegovina, na Olimpíada de Moscou de 1994]. Fomos campeões europeus em 2005 [jogando pela Holanda]. E, como eu disse, venci muitos campeões mundiais. Com base nessas experiências, acho que posso ajudar muito os jogadores. Equivale a ter Zinedine Zidane ou José Mourinho, ou o que você teve na Holanda, Johan Cruyff ou Louis van Gaal. Eu apostaria em Cruyff ou Zidane."

Ele acrescenta: "Qual é a minha influência em pontos percentuais? Não sei. Mas sei de uma coisa: meu sucesso com Salem, com o Irã e agora com o Uzbequistão não é uma coincidência. É isso o que eu sei."

Antes da Olimpíada, Sokolov não estava realmente buscando a medalha de ouro em Chennai. "Objetivamente, não, mas pensei que uma medalha poderia ser uma opção. Quando eu estava em Tashkent, me perguntaram várias vezes se uma medalha era viável, mas mesmo achando que era possível, não queria criar expectativas. Mas achei muito improvável que os Estados Unidos não vencessem. Pensei comigo mesmo: quais são as nossas chances de sermos os melhores entre as outras equipes?

"Analisando as equipes, pensei, temos um pouco de sorte porque a Índia colocou três equipes para se sair bem, mas nenhuma para vencer. Caso contrário, o GM Gukesh D. obviamente estaria na primeira equipe. Todas as três equipes indianas eram fortes, mas dava para vencer, assim como, por exemplo, a Holanda, Alemanha, França ou Espanha.

"Na verdade, pensei que nossa equipe estava subestimada e estava certo, porque coletivamente ganhamos cerca de 80 pontos de rating ou algo assim." [84,4 para ser preciso]

Bo. Fed Título Nome Rtg 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 Pts. Partidas RP rtg+/-
1 GM Nodirbek Abdusattorov  2688 1 1 1 1 1 0 1 ½ ½ 1 ½ 8,5 11 2803 21,1
2 GM Nodirbek Yakubboev  2620 1 1 ½ ½ 1 ½ 1 1 ½ ½ ½ 8 11 2759 20,6
3 GM Javokhir Sindarov  2629 1 1 1 0 1 ½ ½ 1 0 ½ 6,5 10 2655 7,7
4 GM Jakhongir Vakhidov  2564 1 ½ 1 1 ½ 1 ½ 1 6,5 8 2813 25,1
5 GM Shamsiddin Vokhidov  2552 1 ½ 1 1 3,5 4 2755 9,9

"A primeira vez que pensei que poderíamos ganhar a medalha de ouro foi no dia de descanso, porque pensei, ok, jogamos contra os Estados Unidos, e não parece que eles vão ganhar essa Olimpíada."

Quando o entrevistador perguntou, em tom de brincadeira, se ele havia mantido seus jogadores afastados da Festa das Bermudas [festa tradicional sempre realizada nas Olimpíadas antes do dia de descanso], Sokolov respondeu firmemente que sim. "Eles estavam muito animados com a Festa das Bermudas, mas eu disse: 'Olha, vocês estão proibidos de ir lá, mas eu também vou me punir. Esta será a primeira Festa das Bermudas desde 1988 que eu não vou participar. Então eu também vou ficar no hotel, se isso serve de consolo." Eles tentaram me convencer a mudar de ideia e disseram: 'Nós só vamos por algumas horas', mas eu respondi: 'Pessoal, há um pequeno problema. Eu não nasci ontem. Houve uma época em que eu tinha a idade de vocês, e eu não acredito nisso. Não vai acontecer.' Como se viu, foi uma boa decisão."

No dia de descanso, Sokolov disse à sua equipe que as chances de vencer a Olimpíada eram reais. Ele também explicou que o 2 a 2 contra os EUA foi um ótimo resultado, embora tenham perdido uma grande chance de vencer. "Eu disse a eles: um, não podemos jogar contra eles novamente; dois, temos um desempate melhor e isso provavelmente não vai mudar; e três, eles vão vencer outras equipes e abrir nosso caminho enquanto jogamos contra equipes menos fortes no papel. Como sabemos, a história não foi bem assim."

Sokolov admitiu que a equipe teve alguma sorte no match contra a Índia-2 na penúltima rodada. "Tivemos uma sorte inacreditável de não perder porque, OK, Gukesh estragou uma posição completamente ganha. Naquela partida, eu me resignei a uma derrota por 3 a 1, mas em algum momento percebi que algo realmente bom poderia acontecer".

Sokolov Ramesh
Sokolov (à esquerda) com o GM R.B. Ramesh, treinador da Índia-2, durante os momentos cruciais do match decisivo desta Olimpíada. Foto: Maria Emelianova/Chess.com.

"Tivemos muita sorte que Gukesh não queria aceitar o fato de que ele estragou uma posição ganha para empatar e que ele pressionou demais de forma não objetiva, e simplesmente tivemos sorte naquele match."

Aqui está aquele confronto fatídico entre Gukesh e Abdusattorov:

Sokolov: "Mesmo antes da peça ser dada, eu tinha a sensação de que Abdusattorov ia ganhar. Ele tinha uma vantagem considerável no relógio e o cenário da partida era favorável. É por isso que é muito mais fácil para um computador defender posições nulas do que para humanos. Como pode Gukesh esquecer a posição que tinha 20 lances antes? É totalmente impossível porque ele é um humano."

No momento da publicação deste artigo, Sokolov estava viajando de volta a Tashkent para discutir a continuação do seu trabalho com os jogadores uzbeques e agora parece bem provável que ele continue. Na verdade, ele certamente será recebido no aeroporto como um herói.

No final da última partida, o telefone de um dos oficiais da Federação de Xadrez do Uzbequistão tocou. Do outro lado da linha, estava ninguém menos que o presidente do Uzbequistão, Shavkat Mirziyoyev, parabenizando a todos. Sokolov não pôde comentar sobre a precisão dos relatos da mídia que sugerem que cada jogador receberá $55.000 e um carro na volta para casa, mas observou que, para alguns, a quantia real é consideravelmente maior. Com um bônus contratual pelo ouro olímpico, o próprio Sokolov recebeu uma recompensa extra.

A próxima Olimpíada acontecerá em dois anos em Budapeste, na Hungria, onde os jovens uzbeques estarão ainda mais fortes e entrarão na competição com outra mentalidade. Defender o título será uma situação sem precedentes para eles. Dois anos depois, em 2026, a Olimpíada será realizada em Tashkent - o Uzbequistão venceu a candidatura para sediar o evento no Congresso da FIDE durante esta Olimpíada.

Mais de PeterDoggers
Título honorário de Grande Mestre concedido postumamente a Sultan Khan

Título honorário de Grande Mestre concedido postumamente a Sultan Khan

Abdusattorov e Gukesh lideram o Tata Steel Chess Masters

Abdusattorov e Gukesh lideram o Tata Steel Chess Masters