Os Melhores Jogadores de Xadrez do Mundo

GM Garry Kasparov

Nome completo
Garry Kimovich Kasparov
Nascido em
Apr 13, 1963 (idade 58)‎
Local de nascimento
Baku, Azerbaijão, União Soviética
Federação
Rússia
Aposentado

Rating

Biografia

Garry Kasparov é sem dúvida o maior jogador de xadrez de todos os tempos. Nascido em Baku, na União Soviética (atual Azerbaijão) em 1963, ele rapidamente se desenvolveu na escola de Mikhail Botvinnik, a caminho de se tornar o campeão mais jovem da história do xadrez em 1985. Sempre com espírito independente, Kasparov se separou da FIDE em 1993 e depois tornou-se conhecido fora do xadrez por seu ativismo político após sua aposentadoria em 2005. Embora não seja mais um jogador profissional, ele também permanece ativo na cena do xadrez.

Vida e Carreira Antes do Campeonato

Desde muito jovem, Kasparov demonstrou um potencial muito forte, o que lhe garantiu um lugar altamente cobiçado na famosa escola de Botvinnik. Com treinadores como Vladimir Makogonov e Alexander Shakarov, ele se desenvolveu a ponto de vencer o Campeonato de Juniores da União Soviética em 1976 e 1977. O título Mundial de Juniores veio em 1980. No ano seguinte, ele dividiu o primeiro lugar no Campeonato Soviético.

Garry Kasparov, 1974
O jovem Garry Kasparov em 1974.
CC BY-SA 3.0 Wikimedia Commons.

Embora Kasparov não tenha conseguido uma vaga no ciclo do campeonato de 1981 para destronar Anatoly Karpov - os Interzonais ocorreram em 1979 - ele estava pronto para o ciclo de 84. Uma pontuação de +7 -0 = 6 no Interzonal de Moscou deu a Kasparov uma vaga nos matches (nocaute) do Torneio de Candidatos. Ele derrotou Alexander Beliavsky por 6 a 3 (+4 -1 = 4). Em seguida, enfrentaria Viktor Korchnoi, o desafiante de Karpov em 1978 e 1981, na semifinal.

Kasparov põe fim aos sonhos de seu oponente de desafiar o campeão mundial pela terceira vez consecutiva, ele vence o match com 4 vitórias, uma derrota e 6 empates. Somente o ex-campeão Vassily Smyslov - que, aos 63 anos de idade, tinha três vezes a idade de Kasparov - agora estava no caminho para um macth com Karpov.

Nesta reta final, Kasparov segue confiante. Ele não nenhuma partida para seu rival e venceu a terceira, quarta, nona e décima segunda partida do match. Um empate final durante a décima terceira encerrou o match, que terminou com a pontuação final de 8½ a 4½.

Tornando-se Campeão Mundial

Kasparov entrou no campeonato de 1984 tendo jogado com Karpov apenas quatro vezes antes, perdendo em 1975 (aos 12 anos) e empatando três vezes em 1981. No entanto, o início foi desastroso para Kasparov, pois ele perdeu quatro das primeiras nove partidas. No formato desse match, como havia sido nos matches de Karpov-Korchnoi em 1978 e 1981, seria campeão o primeiro a conseguir seis vitórias, independente do número de empates. Então, a paixão da juventude admitiria a derrota com tanta facilidade?

A resposta é obviamente negativa. Kasparov se empenhou para empatar as próximas 17 partidas: não é uma estratégia que alguém pudesse tentar em um match de 24 partodas, mas foi eficaz no formato do campeonato de 1984. Na 27ª partida, no entanto, Karpov venceu, deixando-o a uma única vitória de manter o título.

Não era pra ser. Primeiro, Kasparov finalmente conseguiu sua primeira vitória no campeonato mundial e a primeira vitória contra Karpov, na partida 32.

Vários outros empates se seguiram. Então, na 47ª partida, Kasparov venceu novamente. E na 48ª partida também. O placar agora era 5 a 3... mas acabou por aí. O presidente da FIDE, Florencio Campomanes, havia declarado o fim, citando a saúde dos jogadores. Os jogadores começariam do zero em 1985 e, sem surpresa, o novo match retornou ao formato de 24 partidas.

Mais uma vez, Karpov fez um melhor começo ao liderar por 2 a 1 após cinco partidas, apesar da vitória de Kasparov na partida de abertura. Kasparov igualou o match na 11ª partida. Na partida seguinte, ele jogou um gambito estranho da Siciliana, que resultou em um empate rápido. As três partidas seguintes também foram empates.

Então, na partida 16, Kasparov jogou talvez o melhor jogo de xadrez que alguém já produziu. Ele voltou ao seu gambito Siciliano, Karpov respondeu com menos precisão do que antes e logo as peças de Kasparov dominaram o tabuleiro.

Liderando com uma vantagem de 4 a 3, Kasparov venceu a partida 19 e empatou as duas seguintes. Na 22ª partida, no entanto, Karpov revive o suspense com um Gambito da Dama. Incluindo os empates, isso deixa a pontuação do match em 11½ a 10½ a favor de Kasparov. Uma derrota de Kasparov nas duas últimas partidas, e Karpov empataria o match em 12 a 12 e manteria seu título. Kasparov segurou o empate na partida 23, precisando de apenas mais um empate para conquistar o título.

Ele não empatou a partida 24: ele venceu.

Kasparov atribuiu seu sucesso a uma melhor preparação que Karpov por sua vitória, que também foi amplamente admitida por Karpov; no entanto, Kasparov também atribuiu a Karpov uma "verdadeira luta" pelo título. (Fonte: The World Chess Championship Karpov Kasparov Moscow 1985, Raduga Publishers 1986.)

É obviamente impossível determinar qual teria sido o desfecho do match de 1984 se ele tivesse terminado. Talvez Kasparov tivesse virado o placar, ou talvez Karpov tivesse cavado fundo e encontrado a sexta vitória. Mas agora Kasparov era campeão e não era tarde demais para ele estabelecer o recorde de campeão mais jovem de todos os tempos. Ele tinha 22 anos e sete meses, 11 meses mais jovem que Mikhail Tal em 1960.

Mantendo a Sua Coroa

Kasparov já enfrentou Karpov 72 vezes nos últimos 15 meses, de setembro de 1984 a novembro de 1985. Eles disputarão outras 48 partidas do Campeonato Mundial nos próximos dois anos.

Karpov conseguiu uma revanche automaticamente com Kasparov em 1986, graças às circunstâncias de 1984-85. Kasparov marcou +4 -1 =11 no começo do match, mas perdeu três partidas seguidas. Uma vitória na 22ª partida, no entanto, foi seguida por mais dois empates para lhe render sua primeira defesa do título.

O processo do campeonato mundial voltou ao que era antes em 1987, quando os torneios Interzonal e Candidatos retornaram à sua programação original. Ele derrota Andrei Sokolov na final e tem uma nova chance de desafiar Kasparov.

Kasparov and Karpov
Kasparov, esquerda, e Karpov (bem como Jan Timman atrás de Karpov) em 1987. Imagem liberada para domínio público por Wikimedia Commons.

O Campeonato Mundial de 1987 foi sem dúvida o mais dramático dos matches de Kasparov-Karpov. Como em 1985, Kasparov venceu uma vez e perdeu duas vezes nas cinco primeiras partidas. Desta vez, ele voltou a vencer a 8ª e a 11ª partida. Uma vitória de Karpov e vários outros empates depois, o placar estava empatado em 11 a 11, com duas partidas ainda para disputar. No entanto, Kasparov perdeu a 23ª partida, deixando-o na difícil situação de ter que vencer a disputa final, para empatar o match e manter seu título.

Kasparov conseguiu. Karpov começa forçando várias trocas, enquanto Kasparov sacrifica um peão para colocar um poderoso cavalo em e5. Ele finalmente se recupera e se encontra em um final com apenas quatro peões contra três, todos na ala do rei - era uma posição difícil de vencer. No entanto, depois de muitas manobras de Kasparov, Karpov desistiu.

Depois de disputar 120 partidas em apenas quatro anos, os dois jogadores podem finalmente respirar um pouco antes de se encontrarem novamente em 1990. Comparado às partidas anteriores e aos seus finais dramáticos, este último confronto é mais confortável para Kasparov. Depois de vencer as partidas 18 e 20, Kasparov liderava por 11 a 9 (+4 -2 =14). Embora ele tenha perdido a partida 23, um empate na última disputa garantiu a vitória do match.

Novamente, três anos se passaram antes da organização de um novo match, mas aconteceram desentendimentos na política do xadrez.

Rompendo Com a FIDE

Nigel Short derrotou Karpov nas semifinais do Torneio de Candidatos de 1993, depois derrotou Jan Timman e conquistou o direito de enfrentar Kasparov. Nem o campeão nem o desafiante estavam à vontade com a FIDE, e o resultado foi uma divisão no campeonato. Kasparov e Short mantiveram o formato de 24 partidas, mas jogaram em Londres sob o apoio da Associação Profissional de Xadrez (PCA). O título de campeão da FIDE voltou para Karpov sem que ele derrotasse Kasparov em um match; Karpov derrotou Timman para recuperar o título da FIDE.

Short não é um jogador tão prolífico quanto Karpov, embora ele o tivesse derrotado para chegar tão longe, e o implacável Kasparov não deixa a guarda baixa: ele venceu cinco das primeiras nove partidas da match que termina com uma pontuação de 12½ a 7½. Kasparov defenderá "seu título" em um duelo com Viswanathan Anand em 1995.

Sua tarefa imediatamente se mostra muito mais dura neste formato relativamente curto, já que o primeiro jogador a marcar 10,5 pontos vencerá (empates contando 1/2 ponto). As oito primeiras partidas foram empates antes de Anand vencer a partida 9.

Talvez isso tenha acendido um fogo sob Kasparov, que voltou na 10ª partida para empatar o match. Sua preparação da abertura foi tão minuciosa que ele precisou de apenas alguns minutos para seus primeiros 20 lances.

Então ele venceu a partida 11. E a partida 13. E a 14. Quatro empates depois, ele ganhou por 10½ a 7½, deixando distante a desagradável lembrança da nona partida.

Como a PCA não conseguiu reter patrocínios, passariam cinco anos antes que Kasparov jogasse outro match para defender o título do campeonato. No entanto, ele não ficou esperando sentado.

Na segunda metade da década de 90, Kasparov esteve no centro do lançamento do xadrez para computador e internet. Menos famoso do que o match disputado um ano depois, ele enfrentou o Deep Blue em 1996 e venceu confortavelmente por 4 a 2, apesar de uma derrota na primeira partida. O controverso match de 1997 vê Kasparov se curvar dramaticamente, após o qual a IBM aposentou o Deep Blue. Quanto ao xadrez na internet, Kasparov domina a partida “Kasparov contra o mundo” organizada por votação on-line em 1999.

Kasparov também triunfou em vários torneios ao longo de sua carreira, como o de Wijk aan Zee em 1999 (com uma pontuação de +8 -1 =4, necessário para ficar meio ponto à frente de Anand). Foi seu primeiro sucesso neste evento em particular, que ele também venceu em 2000 e 2001. Esse evento foi marcante em sua carreira, pois é onde talvez tenha ocorrido uma das partidas mais bonita de todos os tempos, onde ele realizou um duplo sacrifício de torre, seguido de uma caçada ao rei. Sua vítima é o búlgaro Veselin Topalov.

Carreira Pós-Campeonato

Com Kasparov ainda fora da FIDE, foi organizada um match do campeonato entre ele e Vladimir Kramnik em 2000. Nos anos anteriores, as negociações para um match com Alexei Shirov e uma revanche com Anand haviam se mostrado infrutíferas. Enquanto isso, Karpov continuou a operar no âmbito da FIDE até 1999, quando o formato do campeonato foi alterado para um grande torneio nocaute, no qual ele se recusou a jogar. No final, Kramnik provará ser mais do que um desafiante legítimo para Kasparov.

A defesa Grunfeld de Kasparov caiu na 2ª partida, colocando-o em uma situação desconfortável. E quando ele jogou de Brancas, Kramnik segurou-o completamente, principalmente através da Defesa Berlinesa até a Ruy Lopez (1. e4 e5 2. Cf3 Cf6 3. Bb5 Cf6). Na partida 10, Kasparov foi derrotado em apenas 25 lances depois de ter mudado da Grunfeld para o Nimzo-Índia contra o 1.d4 de Kramnik. Cinco partidas depois, todas terminadas em empates, o match terminou com uma vitória de Kramnik.

Kasparov nunca mais reivindicou o título de campeão mundial, nem jogaria um match por isso, apesar de repetidas tentativas. No entanto, ele permaneceu o jogador com a melhor classificação do mundo durante todo o seu mandato pós-título.

A carreira de Kasparov chegou ao fim no torneio de Linares em 2005. Foi mais uma vitória no torneio, a nona dele naquele local em particular na Espanha (mais ninguém venceu mais de três vezes até que o torneio foi abandonado em 2010). Incapaz de se concentrar, segundo sua própria admissão, ele perdeu a última partida oficial de sua carreira para Topalov. Mas que carreira!

Atividades Pós-Carreira

Kasparov se tornou um autor prolífico, começando com a série Meus Grandes Predecessores - uma coleção de cinco volumes das partidas dos ex-campeões mundiais e outros jogadores fortes, publicada de 2003 a 2006 -, além de quatro volumes de Garry Kasparov on Modern Chess (grande parte cobrindo seus matches com Karpov) e três volumes adicionais sobre sua própria carreira no xadrez.

My Great Predecessors Kasparov

Primeiro volume de "Meus Grandes Predecessores"

Desde então, ele foi além do xadrez para escrever três livros adicionais: um meio biográfico, meio auto-ajuda How Life Imitates Chess (A Vida Imita o Xadrez), o com foco na geopolítica Winter is Coming e o Deep Thinking sobre inteligência artificial. O Winter is Coming foi o produto da profunda e antiga preocupação de Kasparov sobre o efeito de Vladimir Putin na Rússia e no mundo.

O desdém de Kasparov pela liderança da FIDE também continuou. Em 2010, Kasparov apoiou seu ex-rival Karpov na busca pela presidência da FIDE, ocupada por Kirsan Ilyumzhinov. A candidatura de Karpov falhou e, em 2014, o próprio Kasparov concorreu à posição, mas também foi derrotado. Ilyumzhinov finalmente deixou a presidência da FIDE em 2018.

No que diz respeito às atividades de xadrez, independentes da FIDE, Kasparov promove o jogo internacionalmente, em particular por meio da Kasparov Chess Foundation. Ele também se tornou o treinador de Magnus Carlsen (em 2009) e Hikaru Nakamura (em 2011). Além disso, Kasparov viaja a St. Louis para eventos patrocinados por Rex Sinquefield, às vezes comentando e até concordando em participar do St. Louis Rapid and Blitz em 2017, seu primeiro torneio não-exibição desde 2005.

Legado

Kasparov é o melhor jogador de xadrez de todos os tempos? Emanuel Lasker reinou por mais tempo e Bobby Fischer provavelmente teve uma corrida mais impressionante com suas vitórias por 6 a 0 sobre Mark Taimanov e Bent Larsen no Candidatos de 1972, mas nem Lasker nem Fischer podem igualar a combinação de longevidade e domínio de Kasparov. José Capablanca, assim como Fischer, foi esmagador no seu melhor nível, mas durou menos de uma década (embora pelo menos Capablanca continuasse jogando). Carlsen tem a chance de alcançar ambos em graus semelhantes aos de Kasparov, mas ainda não pode reivindicar a longevidade.

Essa questão permanece subjetiva, mas, diferentemente dos esportes coletivos, os jogadores de xadrez têm a vantagem de jogar seus próprios jogos. Eles podem ter segundos ou uma equipe unida que participa de seu desenvolvimento, mas, uma vez na frente do tabuleiro, tudo depende deles. Os argumentos de Kasparov para reivindicar o título de melhor jogador de todos os tempos são pelo menos tão fortes quanto os de qualquer outro jogador.

Mesmo ignorando esses debates, Kasparov introduziu várias novidades teóricas, além de vencer com aberturas que haviam perdido popularidade, como a Escocesa (1. e4 e5 2. Cf3 Cc6 3. d4) ou o Gambito Evans (1. e4 e5 2. Cf3 Cc6 3. Bc4 Bc5 4. b4). Seu gambito em 1985 contra Karpov acabou se provando refutável, mas naquele momento e em vários outros, a disposição de Kasparov de tentar as coisas o levou a vitórias brilhantes. Ele também era incrivelmente preciso, com a terceira melhor pontuação do CAPS entre todos os campeões de todos os tempos, maior que qualquer um dos seus antecessores. Seus matches com Karpov estavam entre as mais emocionantes da história do xadrez.

Quer você o classifique como o número 1 ou não, Garry Kasparov é um dos poucos jogadores de xadrez entre todos com uma reivindicação legítima do título de melhor de todos os tempos.

Melhor Partida


Aberturas Mais Jogadas

Partidas