Os Melhores Jogadores de Xadrez do Mundo

GM Teimour Radjabov

Teimour Radjabov
Teimur Radjabov no Torneio de Xadrez de Genebra, 2017. | Foto: Valera Belobeev para WorldChess.
Nome completo
Teymur Rəcəbov
Nascido em
Mar 12, 1987 (idade 35)‎
Local de nascimento
Baku, Azerbaijão RSS, União Soviética
Federação
Azerbaijão
Perfis

Rating

Biografia

Teimur Radjabov nasceu em Baku, Azerbaijão, a mesma cidade que o campeão mundial Garry Kasparov, em 12 de março de 1987. A promissora carreira juvenil de Radjabov o levou a competir o Campeonato Mundial da FIDE na sua adolescência e o campeonato reunificado em 2010. A carreira de Radjabov chegou a um ponto morto depois disso, seu rating caiu abaixo de 2700 em novembro de 2016, mas recentemente ele voltou aos 15 melhores jogadores de xadrez do mundo. Junto com seu compatriota Shakhriyar Mamedyarov e outros, Radjabov ganhou para o seu país medalhas de ouro no Campeonato Europeu de Xadrez em 2013 e 2017, e os dois são os melhores candidatos que o seu país tem de ter um campeão mundial entre os enxadristas da elite atual.

Carreira Infantil e Juvenil

Radjabov começou a jogar xadrez aos 3 anos e, no final da década de 90, participava regularmente do Campeonato Europeu e no Mundial de Xadrez Juvenil. Jogou o Campeonato Mundial de Xadrez Juvenil de 1996 na categoria sub10, na qual ganhou o hoje grande mestre indiano Pentala Harikrishna.

Mas Radjabov dominou os torneios juvenis europeus. Ganhou na categoria europeia sub-10 em 1996 e 97, e depois na categoria sub-12 em 1998. Em 1999, aos 12 anos, jogou na categoria sub-18 ao invés da sub-14 ou da sub-16. Destemido, ele voltou a ganhar contra um grupo de adversários naturalmente muito mais velhos.

Ainda que ele não tenha ganhado o Campeonato Mundial Juvenil nesse ano, ele já era um Mestre Internacional. Ele não tinha nada para demonstrar contra os meninos da sua idade, e em 2000 jogou o Campeonato Juvenil para jogadores entre 18 e 20 anos. Em 2001, ele havia ganhado as normas de GM e estava competindo no Grupo B do Torneio Corus em Wijk aan Zee, onde ficou em segundo lugar com um resultado de +6 -2 =3.

Torneios em Destaque

Radjabov foi um dos sete participantes em Linares 2003, um todos contra todos, ida e volta, e terminou em último com um resultado de +1 -4 =7. No entanto, sua única vitória tenha sido talvez a mais célebre da sua ainda jovem carreira: jogando de negras, ele derrotou o seu compatriota Garry Kasparov em 39 lances. A partida foi votada como a melhor do torneio, para consternação de Kasparov. Radjabov foi elogiado por sua resistência na partida, especialmente no lance 21...Cgxe5. Kasparov sentiu que havia cometido um simples erro tático e que a partida não merecia nenhuma reconhecimento especial. No entanto, foi uma grande vitória para Radjabov.

Radjabov também ganhou uma partida em 2003 contra Viswanathan Anand, quem depois seria campeão mundial, no Torneio Dortmund Sparkassen, onde Radjabov terminou em quarto lugar, com seis participantes, com um resultado de +2 -2 =6. Radjabov sacrificou a dama no lance 22 e, ainda que materialmente permaneceu desequilibrado, mas logo ficou relativamente igualado, os dois peões passados de Radjabov foram decisivos.

Radjabov ganhou o XIII Torneio de Dos Hermanas, em 2005, com um resultado de +2 -0 =7, contra um grupo de adversários que incluía Harikrishna, Alexey Dreev e Sergey Karjakin (que na época tinha 15 anos e alguns anos depois foi o aspirante ao título de campeão mundial). Em outubro deste ano, Radjabov cruzou a barreira dos 2700 de rating pela primeira vez.

O torneio mais impressionante de Radjabov talvez tenha sido a sua atuação em Wijk aan Zee 2007, onde terminou compartilhando o primeiro lugar com Levon Aronian e Vaselin Topalov. Radjabov ganhou 5 de suas 13 partidas nesse todos contra todos, mas uma derrota para Aronian na oitava rodada o impediu de ganhar isolado. No entanto, em um torneio que também incluía adversários como Anand, Vladimir Kramnik, Peter Svidler e Magnus Carlsen (com 17 anos), o resultado de Radjabov de +5 -1 =7 e o primeiro lugar compartilhado é um resultado impressionante.

Radjabov também ganhou a etapa de Genebra do Grand Prix da FIDE, em 2017. No entanto, ele terminou em terceiro lugar na classificação geral, e por pouco não se classificou para o Torneio dos Candidatos.

Radjabov em 2017 depois de sua vitória em Genebra.

Ciclos do Campeonato Mundial

A primeira oportunidade de Radjabov ao título mundial chegou quando ele foi um dos 128 participantes no torneio eliminatório da FIDE em 2001. Ele era o nº86 no ranking inicial e caiu na primeira rodada contra o GM da Estônia (agora americano) Jaan Ehlvest, por 3½-2½. O torneio foi vencido pelo ucraniano Ruslan Ponomariov.

Já em 2003, Radjabov era o nº18 no ranking inicial e, consequentemente, jogou um torneio muito melhor. Derrotou o GM polaco Mateusz Bartel (2-0), depois derrotou o GM dinamarquês Peter Heine Nielsen (4-3), o GM francês Etienne Bacrot (2½-1½), o GM russo Pavel Smirnov (3½-2½) e chegou às quartas de finais. Nessa fase, ele jogou contra o GM cubano Leinier Domínguez com um resultado de 3½-3½, e depois empatou de negras no desempate de Armageddon, avançando para as semifinais. A corrida de Radjabov finalmente terminou no match da semifinal contra o nº3 Michael Adams, depois de perder a primeira partida e só conseguir mais três empate no restante do match. Adams perdeu a final contra Rustam Kasimdzhanov do Uzbequistão.

A seguir, a derrota contra Adams que eliminou Radjabov do Campeonato Mundial da FIDE de 2004.

Felizmente, o formato de eliminatória nunca mais foi utilizada. No entanto, no formato mais padrão, porém menor, de 2005, Radjabov não participou.

Desde a reunificação do campeonato mundial em 2007, Radjabov participou duas vezes do Torneio de Candidatos. Se classificou em 2011 ao ganhar o Grand Prix da FIDE, e foi escolhido pelo organizador em 2013. O torneio de 2011 foi uma série de matches eliminatórios, similar ao dos campeonatos mundiais de 2002 e 2004. Radjabov caiu contra Kramnik nos desempates da primeira rodada, as quartas de final. O torneio de 2013 seguiu o formato atual, um todos contra todos, ida e volta, e Radjabov só conseguiu +1 -7 =6. Desde então, Radjabov não conseguiu se classificar para o Torneio de Candidatos.

Olimpíadas e Campeonatos por Equipe

Radjabov jogou no primeiro tabuleiro pelo Azerbaijão nos Campeonatos Europeus de Xadrez de 2007, 2009 e 2011, ajudando a ocupar o terceiro lugar em 2007, o primeiro em 2009 e o segundo em 2011. Em 2013, no entanto, jogou no segundo tabuleiro, pois o seu compatriota Mamedyarov havia melhorado ao ponto de ocupar o primeiro tabuleiro. Azerbaijão levou o ouro em 2013 e 2017. Radjabov desempenhou um papel crucial para uma das nações mais exitosas no Campeonato Europeu de Xadrez por Equipe.

No entanto, a equipe do Azerbaijão tem sido menos afortunada nas Olimpíadas, disputadas em anos pares, pois nunca conseguiram ficar entre os três primeiros. Inclusive na 42ª Olimpíada de Xadrez, realizada em Baku, em 2016, o Azerbaijão não conseguiu ficar entre os 10 primeiros, enquanto que a equipe dos Estados Unidos, com Fabiano Caruana, Hikaru Nakamura e Wesley So, levaram o primeiro ouro desde 1976. Da sua parte, Radjabov fez +3 -2 =5 no primeiro tabuleiro, incluindo uma derrota contra Kramnik.

Presente e Futuro

Radjabov no Tata Steel em 2019.

Em julho de 2019, Radjabov é o jogador ativo nº13 no ranking mundial da FIDE, com rating 2759. Vários jogadores da elite estão agrupados em torno de uma pontuação similar, e Radjabov está só sete pontos do sétimo do mundo, Alexander Grischuk. No entanto, os seis primeiros do mundo, em julho de 2019, são ao menos três anos mais jovens que Radjabov, por isso será uma batalha difícil se ele voltar a um ranking tão elevado.

Como é de se esperar de um jogador da sua altura, Radjabov está ativo no ciclo atual dos Candidatos. No Grand Prix da FIDE de 2019-2020, Radjabov perdeu para o Nakamura na primeira rodada da primeira etapa em Moscou, e não participou da segunda etapa em Riga. Ele precisará jogar de maneira impecável em Hamburgo e/ou Tel Aviv para se classificar para o Torneio de Candidatos através do Grand Prix.

Mas Radjabov terá outras oportunidades para se classificar para os Candidatos. Também tem a Copa do Mundo de Xadrez de setembro de 2019, da qual Radjabov participará, cujos dois finalistas se classificarão para os Candidatos, e o Gran Suizo de outubro de 2019, cujo ganhador será um Candidato. Além disso, uma vaga é reservada com base no rating e outra por escolha do organizador.

Melhor Partida


Aberturas Mais Jogadas

Partidas